Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O beijo

Em volta da mesa do bar, ficaram todos em silêncio. Até que um disse: - E daí? No ano novo todo o mundo se abraça e se beija.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2017 | 02h00

O Eduardo estava com um problema e precisava da ajuda da turma. Seguinte: no ultimo réveillon, ao bater da meia-noite, ele se vira frente a frente com a Ana Paula. E a Ana Paula gritara “Feliz Ano Novo!” - e lhe dera um beijo na boca. 

Em volta da mesa do bar, ficaram todos em silêncio. Até que um disse:

- E daí? No ano novo todo o mundo se abraça e se beija.

- Não - disse Eduardo. - Este foi um beijo, beijo.

- Longo? - perguntou outro.

- Longo.

- Língua?

- Língua.

- Vocês estavam na mesma mesa? 

- Não. Eu estava de pé no meio do salão e ela vinha passando. Aconteceu de bater a meia-noite no momento em que ela passou por mim, e ela me beijou.

- Continuo não vendo qual é o problema. Vocês são amigos e...

- Nós não somos amigos! Só fomos apresentados uma vez e nunca nos falamos. E agora eu não sei o que eu faço com esse beijo.

- Não faz nada, ora. A iniciativa do beijo foi dela, não sua. Ela é que tem que explicar o beijo.

- E ela, provavelmente, vai dizer que foi no calor do momento, que tinha bebido muita champanhe, que pra comemorar o fim de um ano como 2016 valia até beijar qualquer um.

- Taí. Nessa história você é o qualquer um. Foi o beijado, não o beijador. É inocente.

- Ou então, veja pelo lado positivo. Fale com ela sobre o beijo. Pergunte o seu significado. Ela pode até dizer que estava a fim de beijar você desde que vocês foram apresentados, que só estava esperando o momento certo. E que momento mais certo do que um réveillon? A banda tocando o “Vai passar”, as serpentinas voando... Você se enganou. O encontro de vocês no meio do salão justamente à meia-noite não foi por acaso. Ela arquitetou o encontro. Ela ama você. Um beijo é só um beijo, um beijo de língua é uma declaração.

- Será?

- Só há uma maneira de saber. Fale com ela.

- E se ela disser “Ah, foi você que eu beijei? Não me lembro de nada daquela noite”

- Então seu problema estará resolvido. Foi apenas um beijo, significando nada.

- Tem uma coisa que vocês não sabem...

- O quê?

- Eu sou apaixonado pela Ana Paula desde que fomos apresentados, e eu não tinha coragem de me declarar. Amava ela de longe. Agora ficou impossível.

- Por quê?

- O beijo embaralhou tudo. Se eu falar no beijo, ela pode reagir mal. Pode ficar constrangida. E eu perderei a oportunidade de ficar com a Ana Paula por causa de um beijo da Ana Paula. Um maldito beijo! 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.