Nydia Negromonte explora cotidiano doméstico

Pequenos detalhes do cotidiano doméstico são o mote da exposição Corpo Seco que a artista plástica Nydia Negromonte abre nesta quinta-feira, explorando a apreensão de objetos comuns. Constituída de dez desenhos, cinco fotos e duas instalações, a mostra aborda as percepções de objetos: memória, ausência, consistência, sedimentação e reconstrução, usando para isso, materiais simples como água, papel de arroz, ar e argila, onde cada trabalho explora um tipo de comportamento em relação a essa apreensão.Uma outra característica da artista é procurar sempre a economia de atitudes e cores. ?Uso mais materiais despigmentados?, ressalta Nydia. ?Estou mais interessada em evidenciar o que está dentro dos objetos, que não é visível, a essência?, diz Nydia, durante os últimos retoques da exposição, que fica até o dia 2 de setembro, na Valu Oria Galeria de Artes.Nydia veio direto de Barcelona, na Espanha, para fazer esta mostra. Na cidade espanhola considerada o pólo artístico da Europa, a artista vem desenvolvendo há um ano e meio - dos três que está morando por lá - trabalhos para o Hangar (Centro de Produção de Artes Visuais e Multimidia) e outras exposições paralelas.Para outubro, os espanhóis já a aguardam. Ela fará uma mostra na Galeria Cicarts.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.