NY expõe propostas para "novo" WTC

O que construir no espaço em que ficavao World Trade Center? A questão do momento entre osnova-iorquinos virou o tema de uma das exposições maisconcorridas desta temporada de inverno na cidade. A importanteMax Protetch Gallery montou este mês a mostra A New WorldTrade Center, com 50 projetos de arquitetos do mundo inteiro.Apenas dois meses atrás, Max Protetch, o dono da galeriaespecializada na "arte da arquitetura", decidiu que tinha decontribuir para a causa do World Trade Center. Sua idéia foimontar um show de propostas arquitetônicas para o local. Elepegou o telefone e convidou profissionais conhecidos e novatos:de Paolo Soleri, que pediu para ser incluído, a Sam Mockbee, quemorreu em dezembro. Outros nomes importantes que mandaram seusdesigns foram Zaha Hadid e Steven Holl.Cada arquiteto teve um mês para bolar uma idéia e preparar suaapresentação: de desenhos simples a modelos digitais em 3-D.Quem deixou de fazer um projeto caprichado provavelmente estáarrependido. Reportagens em jornais como o Wall StreetJournal e o New York Times, além de coberturas deprogramas como o matutino Today (NBC), o de maior audiênciana TV americana no horário, transformaram a mostra em umprograma cultural obrigatório, até para quem não tem nenhuminteresse em arquitetura.A exposição também recebeu uma série de críticas: da ausência demuitos arquitetos nova-iorquinos ao fato de ser muito cedo parapensar em projetos concretos para o que vai ser feito naárea. Para muita gente, as discussões ainda nem começaram. Poroutro lado, o público parece muito interessado em saber o quevai ser erguido no local. Entre as propostas, estão desdeparques a estruturas tão altas quanto os 110 andares do WorldTrade Center.O organizador acha que nenhum dos projetos apresentados tem deser visto como uma solução: apenas como proposta, ensaio,expressão pessoal de um arquiteto. Protetch vê os designs daexposição como "exercícios" de criatividade, projetos teóricos, porque ainda não é a hora de decidir o que a área precisa.Segundo ele, A New World Trade Center tem chamado a atençãoporque o público está consciente da importância simbólica,política, econômica e até cultural da arquitetura.Ainda que a exposição não seja um concurso e que nenhum dosprojetos tenha muita chance de vir a ser construído, filas têmdado a volta no quarteirão da West 22nd Street, no Chelsea. Tudopara ver alguns projetos de outro mundo, outros simples. Um dos que chama a atenção é o da firma 1100 Architects, comlagos de reflexão no lugar das Torres Gêmeas. No espaço, seriaconstruída uma estrutura fina com milhares de painéis de vidro,um para cada uma das mais de 3 mil pessoas que morreram nolocal. Outro projeto, da empresa Acconci Studios, mostra umenorme prédio retangular cheio de furos, como um queijo suíço. Afirma Gluckman Mayner Architects propõe um edifício feito comvidro eletromagnético, descrito como uma "pele" queexpressaria emoção ao mudar de cor.Frei Otto, por exemplo, propôs um parque urbano sem nenhuma áreacomercial. "Uma nova torre de Babel não é necessária",escreveu ele, que acredita que o espaço não deve ter concreto,aço, nenhum material do tipo, e tem de ser protegido como um"parque tranqüilo com árvores e lagos". O projeto de SamMockbee é um dos mais populares. É um buraco profundo, escuro,em que as pessoas poderiam descer por uma rampa. Um lago seriaconstruído no fundo.Twin Towers of Light sugere a colocação de dois canhões de luzapontados para o céu, que marcariam o local onde cada uma dastorres ficava. Há grandes chances de que este projeto venha aser realizado, ainda que temporariamente, antes que umaestrutura final venha a ser construída. Aexposição fica em cartaz até 16 de fevereiro. A Max ProtetchGallery fica no seguinte endereço: 511 West 22nd Street, entreTenth e Eleventh Avenues; tel.: (212) 633-6999.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.