Nudez na passarela

Magic Mike, novo filme do diretor Steven Soderbergh, acompanha a difícil rotina de strippers

ROMAIN RAYNALDY, FRANCE PRESSE / LOS ANGELES, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2012 | 03h10

O prolífico cineasta americano Steven Soderbergh mergulha no mundo do strip-tease masculino com Magic Mike, um filme tão leve quanto as sungas de seus atores, um grupo de homens sarados liderados por Channing Tatum e Matthew McConaughey.

O longa, que estreou nos cinemas americanos na sexta-feira, é especial para Channing Tatum - ator de 32 anos, uma das estrelas em ascensão em Hollywood e que foi stripper em sua juventude, ele sempre quis fazer um filme que se passasse neste ambiente.

O projeto finalmente virou realidade quando Tatum, também produtor, confiou as rédeas da história a Steven Soderbergh, o camaleão de Hollywood, igualmente confortável em um filme independente de baixo orçamento em relação a uma superprodução.

O ator relembra seus poucos meses de stripper com uma mistura de emoções. "Eu estava com 18 anos, trabalhava em três empregos ao mesmo tempo e este era apenas um deles", explicou em uma recente coletiva de imprensa em Beverly Hills. "Eu adorava fazer isso, foi provavelmente a primeira vez que atuei para um público e adorava dançar. Mas nunca tirei completamente a minha roupa." E acrescentou: "O mundo do strip-tease em si era bastante pobre. No filme, não mostramos o lado escuro deste ambiente".

Na verdade, o longa tende mais para a comédia que para o drama. A trama começa com Mike (Channing Tatum), pedreiro durante o dia, stripper de noite, que toma sob sua asas Adam, um jovem um tanto perdido (o britânico Alex Pettyfer), para ensiná-lo as artes da profissão.

Quando Adam se torna uma estrela, descobre o dinheiro fácil e as noites intermináveis, Mike sente a necessidade de finalmente sair deste ambiente, à medida que se apaixona pela irmã de Adam (Cody Horn).

"Muitas pessoas viveram essa história depois de terminar seus estudos", ressalta o ator. "Conheço strippers que se divertiram por alguns anos. Era uma festa permanente. De repente, anos mais tarde, você percebe que não está tão motivado, que não se aproximou nem uma polegada de seu sonho e que a festa acabou."

Se as cabeças pensantes de Hollywood acreditam que o filme é calibrado para o público feminino, Steven Soderbergh afirma que os homens têm motivos mais do que suficientes para encarar a história, porque o longa levanta a questão da relação de trabalho e dinheiro, "o que está disposto a fazer em troca de pagamento". "Este é um assunto que domina a vida de muitas pessoas", observa.

Números de strip-tease destacam tanto as habilidades de dança do elenco quanto os corpos definidos e impecáveis. Matthew McConaughey, que vive Dallas, proprietário de um clube de strip-tease que sonha largar o uniforme, reconhece seu nervosismo. "A primeira aparição pública foi muito difícil para os nervos. Mas depois eu só tinha um desejo, que era recomeçar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.