Novo livro de Nobel de Literatura é lançado na Turquia

Um novo livro, intitulado Babamin Bavulu(literalmente, A Maleta de Meu Pai), do Nobel de Literatura Orhan Pamuk, acaba de ser publicado na Turquia pela editora Iletisim e reúne três reflexões do aclamado escritor turco. A primeira delas, que dá nome ao livro, aborda a figura do pai do autor, Gündüz Pamuk, e foi lida pelo romancista na ocasião da entrega dos prêmios Nobel em dezembro do ano passado em Estocolmo. "Dois anos antes de morrer, meu pai me deu uma pequena mala cheia de seus textos, manuscritos e cadernos que quis que eu lesse após sua morte. (...) ´Talvez haja alguma coisa útil´, me disse com ligeira vergonha", narra Pamuk. Segredo Somente nesse momento o romancista turco descobriu que seu pai escrevia em segredo e que nunca havia contado nada a ninguém, pois acreditava que sua literatura não merecesse ser publicada. Na prática, o fato se mostrou de grande influência para o desenvolvimento do primeiro turco a ganhar o prêmio Nobel de Literatura. "Gündüz Pamuk era um homem respeitado por todos e ninguém imaginava que pudesse esconder um escritor em seu interior". "Também ninguém esperava que o pequeno Orhan chegasse tão longe, já que todos os olhos estavam voltados para o filho mais velho, Sevket", confessou à Efe Erhan Karaesmen, crítico de arte, analista político e companheiro do pai de Orhan Pamuk no Ministério de Municipalidades durante a década dos 70. O segundo texto, Ima Edilen Yazar (O escritor insinuante), foi recitado na Conferência Puterbaugh sobre Literatura Mundial, na Universidade de Oklahoma (EUA), em 20 de abril de 2006 e é uma reflexão sobre o ato da escrita. O terceiro discurso, Kars´ta Ve Frankfurt´ta (Em Kars e em Frankfurt), começa com o relato da experiência do escritor na cidade turca de Kars enquanto recolhia informação para escrever o romance Neve. Através da inclusão das doutrinas de diversos clássicos literários, o texto agrega dissertações sobre a situação política da Turquia e o lugar do país na Europa. Campanha discreta Orhan Pamuk (Istambul, 1952) pronunciou o ensaio que encerra o livro na cerimônia de entrega do Prêmio da Paz dos Livreiros Alemães, em outubro de 2005. A editora Iletisim pôs em circulação uma edição de 30 mil cópias de Babamin Bavulu (93 páginas) e nas primeiras duas semanas de venda, sua aceitação, segundo os livreiros turcos consultados pela Efe, foi boa, embora não tanto como a de outros sucessos do escritor. A nova obra foi apresentada através de uma discreta campanha publicitária, muito menor do que as dedicadas aos best-sellers do autor turco que se mantiveram durante mais de um ano nas listas dos mais vendidos em seu país natal. Orhan Pamuk está nos Estados Unidos, segundo confirmou à Efe seu editor turco, Nihat Tuna, que aproveitou para negar as afirmações de que o escritor fugiu do país após sofrer ameaças feitas em 24 de janeiro por um ultranacionalista acusado do assassinato do jornalista turco-armênio Hrant Dink. Em meados de fevereiro, o redator-chefe da revista Sabah, Fatih Altayli, havia dito em um artigo que não era "um mero boato" as informações de que Pamuk tinha abandonado a Turquia "com a decisão de não retornar por muito tempo". Por outro lado, outros jornalistas asseguraram que o autor não fugiu, mas viajou aos EUA para lecionar em uma das mais destacadas universidades do país. Silêncio Posteriormente, a imprensa afirmou que o escritor voltará a Istambul em meados de abril, sem especificar se o retorno é definitivo ou é somente uma visita temporária. O silêncio de Pamuk diante dessas hipóteses também foi alvo de críticas de alguns meios de comunicação, como o jornal Aksam, cujo redator chefe, Serdar Turgut, acusou recentemente o romancista de estar danificando a imagem do país ao se portar dessa maneira. Segundo Tuna, Pamuk está em Nova York devido a compromissos como docente de Literatura Turca na Universidade de Colúmbia e voltará nos próximos meses à Turquia. Neve, livro com o qual Pamuk ganhou Nobel no ano passado, foi lançado no Brasil pela Companhia das Letras e pode ser encontrado nas principais livrarias do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.