Novo "Harry Potter" é vendido por acidente

Um tribunal canadense emitiu uma ordem proibindo todos os leitores que compraram o último livro da série Harry Potter de revelar toda ou parte da trama de Harry Potter e o Príncipe Mestiço até o próximo dia 16, depois que uma livraria local vendeu algumas cópias por engano. A decisão foi tomada depois que os distribuidores canadenses do livro, a Raincoast Books, entraram com a ação na Suprema Corte de British Columbia.Uma pequena livraria perto de Vancouver colocou o livro à venda no último dia 7, por engano, e retirou-o das prateleiras pouco depois. Mesmo assim, algumas cópias foram vendidas.Aqueles que devolverem o livro vão recebê-lo de volta às 00h01 do dia 16 - o lançamento oficial - junto a uma placa comemorativa assinada pela autora, além de uma camiseta produzida em série limitada. "A Raincoast e a Bloomsbury (editora britânica da série) prometeram aos fãs de Harry Potter que nós faríamos o possível para garantir que eles seriam os primeiros a descobrir os segredos de Harry Potter e o Príncipe Mestiço", disse James Broadhurst, diretor de marketing da Raincoast Books."Nós nos sentimos obrigados a tomar todas as medidas legais necessárias para manter a promessa feita aos fãs canadenses.""Não é a intenção da Raincoast Books penalizar o pequeno grupo de fãs que inocentemente comprou o livro, acreditando que ele estava à venda", disse Broadhurst."Nós pedimos a eles que cooperem conosco e observem os termos da decisão judicial para garantir que a excitação e o mistério da história sejam preservados para os fãs em todo mundo até o dia 16 de julho."Em 2003, a autora J. K. Rowling processou um jornal americano por revelar detalhes da trama de Harry Potter e a Ordem da Fênix, depois que um casal conseguiu comprar o livro em uma loja no Brooklyn, Nova York, antes do lançamento mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.