Novo "Fama" tem jeito de "Big Brother"

Saem os candidatos a celebridade instantânea e entram os que querem viver de arte. A terceira edição de Fama, reality show sobre a formação de cantores, começa no dia 5, logo após o Caldeirão do Huck. Os 14 candidatos, porém, já vão se reunir do próximo sábado em diante. Angélica continua no comando, mas sem Toni Garrido. O programa terá dez edições. Há muitas novidades, a começar pelo novo diretor de núcleo, Boninho, que deu ao programa um jeito mais Big Brother. A casa será a mesma, reformada - mas não muito - para abrigar os candidatos a estrelas da canção popular, pois o Fama 3 terá sua pitada de voyeurismo. "Vamos mostrar a convivência dos candidatos, pois isso prende a atenção do público e explica quem são eles", adianta a editora-chefe do programa, Fernanda Scalzo, que faz o mesmo no BBB. Além da edição semanal, haverá flashes diários na Globo, um programa de 25 minutos, no Multishow e acompanhamento em tempo real pelo site Globo.com.A estrutura também mudou. Reduziram-se os professores a sete e os candidatos foram para 14, vindos de oito Estados e com idade por volta dos 20 anos - embora haja um de 35 anos e três com 18. Todos têm experiência, geralmente cantando na noite, mas só três se apresentam como profissionais. "Nosso critério de avaliação foi a qualidade e a personalidade artística dos 25 mil inscritos", explica o diretor-geral, Carlos Magalhães, companheiro de Boninho desde o primeiro BBB. "E os jovens predominaram porque foram maioria entre os candidatos ao Fama." A seleção ficará a critério só do público, para empolgar mais. "Jurado escolhe pela técnica e o público, pela emoção", teoriza Boninho. Mas haverá uma diferença fundamental. Se antes o repertório era imposto, agora os candidato escolherão o que cantar, assistidos por quatro produtores musicais da Rede Globo, sob o comando de Mariozinho Rocha, diretor musical da emissora.O vencedor só fará disco se interessar a alguma gravadora, mas terá como prêmio a produção de um grande show e a poderosa mídia da Globo para divulgá-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.