Novo CD de Franz Ferdinand tem de Beatles a reggae

Ao contrário de Naomi Campbell, Dionne Warwick, Pat Metheny, Nick Cave e outros estrangeiros que viveram no Brasil (e se tornaram figurinhas tão fáceis que o pessoal dizia "lá vem aquele gringo chato de novo"), o grupo escocês Franz Ferdinand é um habitué cada vez mais amado pelas plateias nativas.

JOTABÊ MEDEIROS, Agência Estado

19 de agosto de 2013 | 10h17

A banda, que só tem pouco mais de 10 anos de existência, já veio seis vezes ao País. Por isso, não foi surpresa para o baixista Bob Hardy quando eles foram tocar num pub de Londres seu novíssimo disco, Right Thoughts, Right Words, Right Action (Sony Music), no mês passado, e o grosso da audiência era de... brasileiros. "Havia fãs brasileiros em todo lugar, e a fila na frente do Victoria Pub já começava desde as 10 horas da manhã", exclamou o músico, falando por telefone à reportagem para comentar sobre o lançamento mundial do álbum essa semana.

O disco novo (o último álbum fora Tonight: Franz Ferdinand, de 2009) chega às lojas do mundo todo ao mesmo tempo, no dia 26, e é o resultado de um work in progress do grupo de Glasgow. Muito show surpresa em lugares pequenos, uma música ou outra sendo testada em festivais - como fizeram aqui em São Paulo no ano passado, no Lollapalooza Festival.

"Nós começamos a tocar em lugares como aquele pub, shows para 100, 190 pessoas. Acho que, como banda, faz mais sentido aprimorar as canções em contato mais estreito com as pessoas. É também muito divertido para quem está na plateia. Nós todos costumamos ir a pubs para ver bandas que gostamos", contou Hardy.

Nas dez faixas, o Franz Ferdinand volta à química de harmonias do seu primeiro disco. Quase nada muda, mas o resultado é sempre um dance rock delicioso, um passo adiante do pós-punk. O disco inteiro nasceu de um insight inusitado: Alex Kapranos, o vocalista, guitarrista, cantor e compositor da banda, achou um cartão postal num mercado de pulgas. Nele estava escrito: "Come home, pratically all is nearly forgiven" ("Venha pra casa, praticamente tudo está quase perdoado").

Esse é o verso inicial de Right Action, a canção que abre o disco. "Tem um sabor de boa vontade, de esperança nesse verso, e a estrutura da canção é interessante, vai num crescendo", analisa Hardy. Uma espécie de "busca cínica do otimismo", como explicou Alex Kapranos. Uma contradição em termos, mas na canção Goodbye Lovers and Friends ele ironiza: "Não toque música pop/Você sabe que eu odeio música pop/Apenas toque a música que o ateu criou".

Franz Ferdinand - US$ 10,99 no iTunes a partir de 26/08

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.