"Novelizado", Big Brother Brasil recomeça hoje

Hoje estréia para valer na Globo o Big Brother Brasil 4. E começa com o pé direito: a emissora já vendeu as quatro cotas de patrocínio da atração, cada uma no valor de R$ 5 milhões. O diretor do programa, Boninho, falou ao Estado sobre o aprimoramento do formato e sobre a TV Vanguarda, afiliada da Globo, comprada por sua família e pelo diretor de programação da rede, Roberto Buzzoni. "Lá papai é palpiteiro", disse ele. Eis a entrevista:Qual a receita do sucesso do Big Brother Brasil, enquanto o formato parece esgotado no exterior?Boninho - Subvertemos o conceito do programa, com a volta ao básico, sem muito conforto e nada para fazer. Nosso Big Brother é bem Brasil, a nossa cara. Aproveitamos a paixão do brasileiro por dramaturgia para "novelizar" as nossas histórias. Temos um formato alegre, sem focar em "baixarias". A casa proporciona um alto astral e, se o clima está pesando, criamos mais festas ou algo que evite um caminho em direção ao "mundo cão".Em quatro edições, o que você aprendeu? O que funciona no reality show?Aprendi que cada programa é completamente diferente do outro. Os personagens mudam e as histórias também. O primeiro foi, na verdade, nossa maior experiência: começamos mais pesados editorialmente e descobrimos que o público quer dar uma olhadinha leve, quer se divertir com eles. A partir de então, é como tocamos o programa.Entre todos os reality shows da Globo, qual deu mais certo?Certamente o BBB é um fenômeno, tanto para a TV Globo como para as outras mídias que ele ocupa. Só na TV paga, o BBB obteve as 19 primeiras colocações de audiência em 2003. De que forma você participa da TV Vanguarda, comprada por sua família?A TV Vanguarda é minha e de meus irmãos, do Buzzoni e do Roberto Irineu (Marinho). O Boni dá uma força. E que força! Lá ele é palpiteiro. Portanto é óbvio que também participo da empresa, principalmente artisticamente. Com o BBB, meu tempo ficará mais curto para a Vanguarda, mas vou tentar ficar com um olho no peixe e outro no gato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.