Novela muda sentido do verbo caetanear

Caetano Veloso perdeu o trono. Há poucos meses, Djavan cantava "Como querer caetanear/ O que há de bom" e todos associavam o verbo ao cantor. Agora, caetanear é conjugado por um ator. Ou melhor, é um dos termos engraçadinhos que Paulo Coronato, o taxista Caetano de Mulheres Apaixonadas, anda ouvindo pelas ruas. "Os homens vivem me dizendo que estão ´caetaneando´. Significa que saem com várias mulheres ao mesmo tempo", explica Coronato, rindo. O ator também vem acumulando propostas no porta-malas do táxi, inclusive as mais indecentes. "Você quer engatar a quarta marcha comigo?", já ouviu de uma fã. A atriz Vera Holtz, que interpreta a alcoólatra Santana ganhou até terapia intensiva nas ruas: vive recebendo conselhos a la Alcoólicos Anônimos. "As pessoas imploram para que eu pare de beber. Dizem que eu posso perder o emprego", conta a atriz. "Para o público, não existe a Vera: eu sou totalmente Santana." Regiane Alves, sua colega de cena , já levou até golpes de jornal na cabeça por conta das perversidades praticadas por Dóris, a garota que maltrata os avós em Mulheres. Mas o troféu ´pentelha da vez´ vai para Paulinha, interpretada por Ana Roberta Gualda. Tanto que a turma do ´Casseta&Planeta´ inventou até um sugestivo apelido para ela: Paulinha sem alça. A atriz Natália Rodrigues, intérprete da malvada Carla no seriado adolescente Malhação, já descobriu o quanto os jovens telespectadores podem ser impiedosos com os vilões da telinha. "Tive de sair às pressas de uma sessão de cinema porque várias meninas começaram a atirar pipoca em mim", conta. "Outra vez, uma fã do Sérgio Marone, o mocinho de Malhação, me deu um tapa e ordenou que eu me afastasse dele." A atriz Carol Castro, que vive a dissimulada Gracinha em Mulheres Apaixonadas, já não agüenta mais ouvir as broncas dos defensores de Edwiges e Cláudio, o casal mais querido do País. "As mulheres dizem que é para eu me afastar do Cláudio", conta Carol. "Às vezes, tenho receio da reação das pessoas, pois elas ainda fazem muita confusão entre ficção e realidade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.