Novela da mocinha má

Próximo folhetim das 9 na Globo, Avenida Brasil traz justiceira vingativa como protagonista

ALLINE DAUROIZ, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2012 | 03h10

Aos 42 anos, João Emanuel Carneiro é a mais jovem e recente "ararinha azul" da TV - espécie rara e em extinção, como o autor Aguinaldo Silva gosta de chamar o seleto time de seis autores de novelas que há anos domina o horário das 9 da Globo, maior audiência da TV brasileira. Premiado roteirista de cinema, Carneiro estreia Avenida Brasil na segunda-feira, sua quarta novela como autor principal (a segunda no horário das 9), com a responsabilidade da inovação, marca que cunhou após subverter a narrativa teledramatúrgica em A Favorita (2008), quando o público passou três meses sem saber quem era mocinha ou vilã: Donatela (Claudia Raia) ou Flora (Patrícia Pillar)?

Em Avenida Brasil, sinopse que ele entregou à direção da Globo em 2009, a inovação está em eliminar os tradicionais núcleos rico e suburbano das novelas. Tudo será um grande subúrbio, com ricos e pobres morando na periferia - tendência que acompanha a ascensão da classe C e a ânsia da TV por agradar a esse público. O minguado núcleo abastado será apenas um satélite da trama, e o título da novela, assim como os personagens, não podia ser mais carioca: embora em São Paulo a Avenida Brasil corte bairros nobre e casarões quatrocentões, no Rio, a via é um dos principais acessos da zona sul para a zona norte suburbana.

Quase todo o elenco mora no fictício bairro do Divino, onde fica o lixão, de onde saiu a vilã rica Carminha (Adriana Esteves) e para onde ela vai mandar Rita (Mel Maia), sua enteada de apenas 11 anos. Mais antiga que as fábulas, a história da madrasta má também é subvertida, quando a menina volta, adulta (com o nome de Nina, papel de Débora Falabella), como uma justiceira sedenta por vingança.

"Não escrevo personagens para os atores, mas a Nina foi feita para a Débora e, da personagem dela, partiu toda a história", contou o autor em entrevista ao Estado. Anti-heroína, Nina fugirá do perfil das mocinhas tradicionais, já que vai cometer vilanias em nome de uma causa justa.

Cheio de referências literárias, João Emanuel compara sua mocinha a Robin Wood e Davi, da Bíblia, além de Raskolnikov (protagonista de Crime e Castigo, do russo Fiodor Dostoievski) e Conde de Monte Cristo, obra de Alexandre Dumas que ele diz usar em todas as novelas. "Não sei mais fazer a mocinha vitimada. Como sofri pra fazer a Preta (Taís Araújo, em 'Da Cor do Pecado')! A Lara (Mariana Ximenes, de 'A Favorita') já era uma mocinha com mais problemas. Tenho de dar uma tapeada, para não ficar aquela coisa insuportavelmente chata."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.