Novela da Globo mostra a Bahia de Jorge Amado

Quem chegava na noite de ontem à cidade cenográfica da próxima novela das oito da Globo, Porto dos Milagres, no Projac, zona oeste do Rio, ia logo recebendo uma fitinha do Senhor do Bonfim e água-de-coco para combater o calorão de 34 graus.Baianas vestidas a caráter circulavam com seus tabuleiros repletos de cocadas, quindins, paçocas e outras iguarias das terras de Jorge Amado. Barraquinhas com objetos de decoração e pratos típicos da Bahia estavam armadas em volta da praça principal, e um alto-falante repetia, à exaustão, a música-tema, Iemanjá, na voz de Gal Costa.A festa de lançamento de Porto dos Milagres para a imprensa teve um pouco do clima da novela de Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares, que estréia na segunda-feira.Numa grande quermesse improvisada misturavam-se vários atores que participam da novela, como Antônio Fagundes, que vive os gêmeos Félix e Bartolomeu Guerreiro na trama, Cássia Kiss, a Adma, Cristiana Oliveira, a Eulália (mas que também aparece, belíssima, de Iemanjá), Marcos Palmeira, o Guma, e Flávia Alessandra, a Lívia, entre outros.A base da história são os livros Mar Morto e A Descoberta da América pelos Turcos, de Jorge Amado, mas Aguinaldo Silva faz questão de explicar que buscou apenas inspiração na obra do autor baiano: "Porto dos Milagres é uma cidade brasileira e fala dos problemas que afligem as grandes cidades, como as diferenças sociais. Estamos usando alguns personagens dos livros do Jorge Amado para contar uma história nossa."A novela tem de tudo um pouco. Romance à la Romeu e Julieta, referências bíblicas, Iemanjá aparecendo como personagem na trama, e, é claro, o realismo-fantástico sempre presente nas novelas da dupla Aguinaldo Silva-Ricardo Linhares, responsáveis por Tieta, Pedra Sobre Pedra, Fera Ferida e A Indomada."Minha personagem em Porto dos Milagres é maravilhosa tem uma força interior muito grande, e morre logo depois de dar à luz, no barco", adianta Cristiana Oliveira, que aparece em cenas bem sensuais.Marcos Palmeira, que em Renascer foi filho de Fagundes, agora será sobrinho. "Há uma cumplicidade muito grande entre nós, o que facilita incrivelmente o trabalho. A química é sempre importantíssima entre os personagens."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.