Novela Amor à Vida, da Globo, terá hospital de verdade

Se na série Downton Abbey, a aristocrática família Crawley emprestou parte de seu castelo para atender os feridos da 1ª Guerra Mundial, o Tufão de Avenida Brasil, não tão abastado quanto os personagens britânicos, perdeu sua mansão para dar lugar a um hospital onde a história de Amor à Vida, próxima novela das 9 da Globo, com estreia marcada para o dia 20 de maio, vai se desenrolar.

JOÃO FERNANDO, Agência Estado

13 de maio de 2013 | 11h13

A construção ocupa um espaço de 6 mil m² na área das cidades cenográficas do Projac, onde as tramas da emissora são gravadas. O planejamento demorou três meses e a obra, pronta há cerca de duas semanas, levou 40 dias para ser concluída. "A gente nunca havia feito algo em tamanho real. Mas, como 50% das cenas são aqui, fizemos o investimento nesse hospital. A ideia é que não pareça um cenário, assim fica menos artificial", explica Mario Monteiro, diretor de arte da Globo, sem revelar quanto custou o projeto.

Na história, o casal César Khoury (Antonio Fagundes) e Pilar (Suzana Vieira) são os donos da casa de saúde, batizada de San Magno, que será alvo de disputa dos filhos, o vilão Félix (Mateus Solano), e Paloma (Paolla Oliveira). Apesar de parecer real e ter sistema de iluminação próprio e ar-condicionado por dentro, o hospital foi feito com materiais leves. "É tudo de madeira. As colunas (de sustentação) são de PVC, desses que você compra para fazer encanamento", contou Monteiro à reportagem, enquanto caminhava pelo cenário.

Com espaço apenas no térreo, o prédio terá uma torre de quinze andares criada por computação gráfica. Mesmo com altura suficiente para que o equipamento de iluminação seja instalado, a ideia é aproveitar a luz do local, onde parte das paredes é de vidro. "As câmeras de alta definição são muito sensíveis à luz, quase não usamos refletores", detalha Monteiro, responsável por cenários como a discoteca de Dancin? Days (1978), que contou com a ajuda do cenógrafo Maurício Rohlfs, que usou lâmpadas de LED. "Elas gastam 50% menos energia."

O San Magno segue o conceito de hospitais contemporâneos e, além de lanchonete, tem livraria - onde, na vitrine, está em destaque Juntos para Sempre, novo livro de Walcyr Carrasco, autor da novela - e loja de presentes. Há ainda um restaurante dos médicos, cenário em que acontecerão intrigas entre os personagens. Como a obra terminou perto da estreia, as cenas ambientadas na casa de saúde começaram a ser rodadas no estúdio de 1 mil m² em que sequências de outros núcleos da trama são gravados.

Além de a porta de entrada na frente, o San Magno tem acesso pelos fundos, onde chegarão as ambulâncias que levarão à emergência. Há ainda um pátio interno, com calçada de pedras portuguesas. Os elevadores foram projetados para ter o tamanho real para receber macas com atores.

A fachada é uma referência ao primeiro prédio do hospital Sírio Libanês, inaugurado em 1965, na Bela Vista, região central de São Paulo. A construção, porém, tem também elementos dos hospitais Albert Einstein e Santa Catarina. Cercado de chroma key (fundo azul em que imagens são inseridas digitalmente), o San Magno será projetado na Avenida Paulista, entre a Alameda Ministro Rocha Azevedo e a Rua Padre João Manuel.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
TVAmor à Vida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.