Nova roupagem resgata esplendor de 'Cabra Marcado para Morrer'

Depoimento: Lauro Escorel

O Estado de S.Paulo

30 de março de 2012 | 03h11

Cabra Marcado para Morrer foi restaurado pela equipe da Cinemateca Brasileira com supervisão técnica da Patricia di Filipi e minha. O trabalho, feito na resolução de 2K, teve como principal desafio lidar com a diferença entre os muitos materiais que compõem o filme. Originalmente, foi feito em 16 mm e ampliado para 35 mm quando do lançamento comercial.

Nesse processo, materiais de 35 mm foram reduzidos para 16 e, em seguida, voltaram a ser ampliados. Essas várias gerações levaram à perda significativa na qualidade técnica das imagens do filme. Ao entendermos isso, decidimos pesquisar a existência dos materiais originais. Uma vez localizados os utilizamos como matrizes para remontar filme digitalmente e a partir desta nova matriz fazer o restauro digital.

Devolvemos ao filme a qualidade fotográfica perdida no processamento precário dos nossos velhos laboratórios. O processo digital deu especial satisfação por devolver às imagens em preto e branco feitas por Fernando Duarte para o filme de 1964 todo seu esplendor. Seu domínio dos tons de cinza dentro da modéstia daquela produção do CPC é admirável. Vale a pena rever o filme nesta sua nova roupagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.