Nova Rádio Nacional promete sintonia com os cariocas

A partir de amanhã, a programação da Rádio Nacional volta a ser ouvida em todo o Grande Rio e cidades vizinhas, depois de anos que a emissora não chegava nem a bairros da zona sul. A rádio mais importante dos anos 40 e 50, que fazia os brasileiros pararem para acompanhar o Repórter Esso, novelas como O Direito de Nascer e Jerônimo, o Herói do Sertão, ou famosos programas musicais, teve estúdios e auditório recuperados e ganhou um potente transmissor de 50 Kw, livre de válvulas, apto a receber tecnologia digital. A reformulação da Rádio Nacional (AM 1130), que trará de volta os programas de auditório e até o rádio-teatro, foi possível graças a um convênio entre a Radiobrás e a Petrobrás, que patrocinou as obras. Foram necessários R$ 2,5 milhões para a recuperação dos estúdios de gravação e de rádio-teatro, e do auditório, que foi reduzido de 496 para 150 lugares, mas ganhou confortáveis poltronas. As novas instalações serão entregues na noite de hoje pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Um show com Carmélia Alves, Cauby Peixoto, Marlene, Emilinha e Jamelão lembrará os anos dourados da rádio. Haverá programas jornalísticos pela manhã e música durante a tarde, com o programa de auditório Dorina Ponto Samba comandado pela cantora Dorina; debates sobre a qualidade das músicas no programa Ouvindo Música, com o instrumentista Marcelo Guima; e o programa de Henrique Cazes, Nacional Choro Clube. Aos sábados de manhã, o auditório será ocupado por crianças na Rádio Maluca. O diretor Cristiano Menezes diz que a dramaturgia também terá lugar na nova programação da rádio. "Estamos pensando em pequenos esquetes de humor, de 5 a 10 minutos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.