Nova diretoria promete uma ABL mais aberta

O escritor e ministro do TCU Marcos Vilaça foi reempossado na quinta-feira, no Rio, na presidência da Academia Brasileira de Letras. Cícero Sandroni, Ana Maria Machado, Domínio Proença Filho e Evanildo Bechara completam a diretoria, que tem por objetivo aumentar a presença da instituição na sociedade. ?A ABL não pode mais ser artesanal, tem que se organizar para o contemporâneo e, para isso, deve se abrir para a sociedade, sem se vulgarizar?, diz Vilaça. Segundo ele, em 2007, os seminários promovidos pela Casa de Machado de Assis tiveram público recorde. Além disso, pela primeira vez na década, o ano se encerra com as 40 vagas preenchidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.