Nova coreografia do Cisne Negro estréia no Teatro Alfa

O ritmo das composições "Rapsódia para Percussão Solo e Orquestra" e "Concerto para Marimba e Orquestra", do músico Ney Rosauro, deram o tom para o coreógrafo Antonio Gomes criar "Trilhas", novo espetáculo do Cisne Negro Cia. de Dança que estréia nesta sexta-feira no Teatro Alfa. A criação coreográfica foi inspirada na música e no caminho que cada indivíduo segue, nos rumos que a vida toma.Gomes trabalhou no fim dos anos 70 no Balé da Cidade de São Paulo, depois seguiu carreira na Europa onde dançou no Ballet du Grand Théâtre de Genève e também com coreógrafos de peso como Mats Ek, Jiri Kylián, entre outros. Radicado na Suíça, o coreógrafo encontrou os bailarinos do Cisne Negro no ano passado, em Miami. ´Estávamos nos apresentando em um festival e ele estava por lá. Decidimos criar um novo espetáculo com o Antonio Gomes, mas com uma condição, de que as músicas fossem de um autor brasileiro e sem canto, apenas instrumental´, diz a diretora da companhia, Hulda Bittencourt. ´Ele me apresentou a esse craque da marimba, às músicas de Ney Rosauro. Uma peça que sem dúvida entrará para o repertório do grupo.´A linguagem utilizada na coreografia é simples, porém requer técnica e habilidade por parte dos bailarinos. ´Fiquei impressionado com o resultado. É um trabalho bem rítmico. Minha música dialoga muito bem com a dança´, observa o compositor."Mozartíssimo" completa o programa da noite, com uma homenagem aos 250 do grande mestre da música, Wolfgang Amadeus Mozart.Cisne Negro. Teatro Alfa (1.134 lug.). Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel. 5693-4000. Hoje e amanhã, 21 h; e dom., 18 h. R$ 30 e R$ 50. Patrocínio Petrobrás

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.