Divulgação
Divulgação

Notícia de Nobel é motivo de Champagne tardio em Frankfurt

Comemoração denunciou a surpresa no estande da editora canadense que publica a escritora desde o início da carreira

Ubiratan Brasil - Enviado Especial / Frankfurt, O Estado de S. Paulo

10 de outubro de 2013 | 19h15

A chegada tardia de uma garrafa de Champagne denunciou a surpresa no estande da editora canadense McClelland & Stewart Doubleday com o prêmio Nobel de Literatura para Alice Munro, autora publicada pela casa editorial desde o início da carreira. “Ela vinha figurando na lista fazia um certo tempo, por isso acreditávamos que talvez ganhasse em algum momento”, comentou Kristin Cochrane, diretora executiva da editora que, desde o ano passado, pertence à Random House, maior grupo do ramo do mundo.

Os motivos para tal esperança são literários – Kristin define a ganhadora do Nobel como dona de um estilo simples, mas arguto. “Seu olhar para os pequenos detalhes é especial e isso a torna universal”, comentou a editora, que não conseguiu falar com Alice por conta da diferença de fuso horário – era muito cedo no Canadá quando foi divulgado o prêmio.

Kristin Cochrane lembrou da surpresa provocada pela presença da autora em um prêmio pelo conjunto da obra oferecido em maio pela associação canadense dos livreiros – aos 82 anos, ela praticamente não comparece mais a compromissos como esse. “Ela fez um curto discurso, como era de se esperar, mas foi precisa”, disse a editora, que não sabe se Munro vai cumprir a promessa de parar de escrever. “Muitos dizem isso, mas acabam voltando atrás. Não estamos pressionando, mas gostaríamos muito que ela continuasse.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.