Notáveis abrem o 1.º Brasil Documenta

Ao longo de dez anos, o canal GNT,da Globosat, estabeleceu importantes parcerias com empresas produtoras do País e do exterior para realizar documentários quetêm sido seu grande diferenciador em relação às TVs abertas epor assinatura. O primeiro, há cinco anos, foi Dossiê Chatô: ORei do Brasil, sobre a vida do polêmico empresário dascomunicações. Seguiram-se: Futebol, O Povo Brasileiro,Seis Histórias Brasileiras, Êxodos, João do Rio,Mar sem Fim. Ainda este mês, o GNT coloca no ar GrandesDamas, um retrato intimista das maiores estrelas do teatrobrasileiro. É por isso que a diretora-geral Letícia Muhanaafirma que o canal GNT é hoje reconhecido não apenas comoprodutor de uma programação brasileira de qualidade e exibidordas mais importantes produções internacionais, mas também comoco-produtor de grandes documentários e séries nacionais.A partir de amanhã e até dia 9, o canal promove noInstituto Moreira Salles, no Rio, o 1.º Brasil Documenta. Compatrocínio da Brasil Telecom, o evento vai exibir filmes eabrigar o 1.º Fórum Internacional de Documentários, com oobjetivo de promover a discussão e a troca de informações eexperiências sobre processos de criação técnica e artística,além de criar oportunidades para novas parcerias. O BrasilDocumenta se divide em três áreas: o fórum, com sete painéis e aparticipação de especialistas em produção, realização,distribuição e exibição de documentários; as exibições defilmes; e o laboratório de projetos, no qual dez documentáriospré-selecionados serão analisados por especialistas e debatidoscom seus autores.Para inaugurar a programação, o Brasil Documenta promoveamanhã um encontro que se antecipa verdadeiramente notável. JoãoMoreira Salles, o documentarista indicado para o PrêmioMulticultural 2001 Estadão Cultura, vai debater com EduardoCoutinho os rumos do documentário no Brasil. Salles realizou(com Kátia Lund) Notícias de Uma Guerra Particular, paracitar apenas um de numerosos documentários que tratam dequestões importantes da cidadania. Embora grande, ele fazquestão de se colocar na posição de aprendiz diante de Coutinho,a quem considera um mestre. É o diretor de Cabra Marcado paraMorrer, Santo Forte e Babilônia 2000. O primeiro foieleito, numa enquete junto a críticos, historiadores e diretores, o melhor documentário feito no País em todos os tempos. Nãorepresenta pouco. O Brasil possui outros grandes documentaristas, valendo citar Geraldo Sarno, que também está no evento,Linduarte Noronha e Vladimir Carvalho.Será um grande começo para o Brasil Documenta, que vaiterminar com outro encontro notável, entre Pedro Bial, o diretorde Primeiras Estórias, e Nelson Pereira dos Santos, um dosfundadores do cinema novo, no dia 9. Neste caso, a conversa teráde estrapolar os limites do documentário para incorporar aficção. Só esses dois eventos, um no começo, outro no fim,garantem extraordinária exposição para o Brasil Documenta. Mashá mais: além das numerosas exibições, o fórum já confirmou aparticipação de verdadeiras estrelas internacionais. DianeWeyermann, do Sundance Institute, Joanna Lapping, da BBC, LucaPelusi, da Tele+Itália, e o diretor de fotografia SlawomirGrunberg, dos EUA, indicado ao Oscar por Legacy, vão participardas mesas para discutir formas de financiamento, sistemas dedistribuição e exibição e os rumos estéticos do documentário naatualidade.O novo trabalho de Grunberg, Fenceline, terá suapremire no Rio, antecipando a exibição no Festival de Amsterdã,considerado a grande vitrine do documentário em todo o mundo. Osprojetos selecionados para participar do laboratório são: OVício da Liberdade - A Trajetória de Evandro Lins e Silva, deEduardo Vaisman e Flávia Lins e Silva; Tinta Fresca, deRicardo Van Steen; Agudás, os ´Brasileiros´ do Benin, deDavid França Mendes e Vicente Amorim; Uma Cidade Rio deJaneiro, de Mônica Simões; Me Erra, de Paola RibeiroBarreto; Os Eremitas, de Cao Guimarães; Di Menor, deCelso Athayde e Adam Alfred Stepan; O Império da Nebulosa,de Marcelo Masagão e Gustavo Steinberg; Perseguindo SãoCipriano, de Marcos Gonzalez; e Soy Cuba, de VicenteFerraz. O fórum será integrado à programação do canal.Diariamente, serão exibidos flashes ao vivo no GNT e um festival, de amanhã a 9, vai exibir: Notícias de Uma GuerraParticular, Pierre Fatumbi Verger: Mensageiro entre DoisMundos, Ensaio Geral, Legacy, Bach em Auschwitz. E se você quiser participar dos painéis, mesmo à distância,poderá fazê-lo através do site do GNT (www.gnt.com.br), enviandoperguntas aos debatedores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.