NOTAS DE PERDAS E DRAMAS Em nova coletânea de contos, João Carrascoza amadurece temas que pontuam sua obra

RONALDO CAGIANO

RONALDO CAGIANO É CONTISTA, POETA, AUTOR DE DICIONÁRIO DE PEQUENAS SOLIDÕES (LÍNGUA GERAL), O SOL NAS FERIDAS (DOBRA EDITORIAL), ENTRE OUTROS TÍTULOS, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2011 | 03h12

Desde sua estreia com Hotel Solidão (1994), a prosa de João Anzanello Carrascoza (1962), paulista de Cravinhos, revela um meticuloso processo criativo, tanto na opção pela economia formal como no cuidado na abordagem de pequenos dramas, em que o afastamento do plano sentimental e a busca do apaziguamento das tensões são alcançados pela sofisticação da própria linguagem. Com uma mirada lírica - mas sem a costumeira pieguice com que frequentemente muitos autores tentam esmiuçar os dilemas e conflitos que têm como epicentro o núcleo familiar - o ficcionista capta as sutilezas das histórias comuns, preservando-lhes a carga de conflito, mistério e angústia. O resultado é comovente - o que contribuiu para uma incontornável, epifânica cumplicidade com o leitor.

Nos 25 contos de Amores Mínimos, Carrascoza aprofunda seu olhar denso e cirúrgico sobre questões recorrentes em Duas Tardes e Outros Encontros Silenciosos (2002), Dias Raros (2004) e Espinhos e Alfinetes (2010), como as relações entre pais e filhos, os desencontros/desencantos amorosos, as descobertas, expectativas e perdas, a infância e seus ritos de passagem.

Nesse percurso, o autor atualiza e questiona a difícil relação do homem com o mundo contemporâneo ao mergulhar nas ondas da vida pós-moderna, trazendo à superfície os confrontos inevitáveis que atravessam o caminho de personagens seduzidos pela vassalagem de uma época de embates, de uma emergência sem sentido e rotinizada, na qual a busca de inserção e reconhecimento gera o desconforto. Ao se digladiarem com essas demandas, os personagens de Amores Mínimos buscam um sentido a partir de seus silêncios e lacunas, numa rota de fuga com que tentam escapar da insularidade, da melancolia, do tédio e da própria morte.

Na crônica dos pequenos acontecimentos cotidianos, Carrascoza revela um apurado senso de observação, fiel aos detalhes e habilidoso na arquitetura psicológica de seus protagonistas. Além disso, consegue retirar certo lirismo onde há crueza, tocando no que é verdadeiramente essencial na condição humana. Ao encarnar a realidade íntima desses seres, o ficcionista amplifica os tormentos das experiências individuais e coletivas.

Escritor versátil tanto no olhar renovador com que retoma velhos temas como na elegância narrativa, em Amores Mínimos Carrascoza leva à extrema delicadeza sua reflexão sobre os vácuos da alma. A coletânea contribui, assim, para consolidar uma obra construída com raro talento - e que, não à toa, já foi sublinhada, em sua particularidade, por um crítico do rigor de Alfredo Bosi.

AMORES MÍNIMOS

Autor: João Anzanello

Carrascoza

Editora: Record

(144 págs., R$ 34,90)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.