Nos livros, o status de 'drama filosófico'

Nem muito ao mar nem muito à terra. Lost começou arrebentando, com uma trama sensacional, original, timing perfeito de suspense, locações e elenco surpreendentes, com uma maioria de caras praticamente inéditas na TV, apesar dos chatíssimos atores que interpretaram os não menos irritantes Charlie, Michael e Walt. Era impossível, para quem se ligou na série desde a primeira hora, desgrudar o olho da tela e controlar a ansiedade pelo episódio seguinte.

Lauro Lisboa Garcia, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2010 | 00h00

Porém, ficou chata, arrastada, cada vez mais enrolada, confusa, beirando o patético. Passou da hora de acabar. No entanto, em termos de cultura pop, não há como negar sua importância como obra de arte televisiva. Nunca um teledrama despertou tantas teorias de intelectuais, gerando diversas publicações, duas delas de teor filosófico, editadas no Brasil, durante suas seis temporadas.

Cada uma delas ganhou guias não oficiais, de uma série intitulada Finding Lost, escrita pelo especialista em televisão americana Nikki Stafford, com análises profundas, comentários e dicas para desvendar os muitos mistérios envolvendo os náufragos do acidente com o voo Oceanic 815.

Em A Filosofia de Lost (Editora Best Seller, R$ 21,10), Simone Regazzoni (pseudônimo feminino do autor) despida dos preconceitos da "cultura erudita", aponta Lost como a série que melhor abordou "temas filosoficamente relevantes", de maneira "intensa e direta, quase provocativa", como nenhuma outra. "Chega a tal ponto que seria possível chamar a série criada por J.J. Abrams e Damon Lindelof de drama filosófico", teoriza. Não por acaso há várias personagens com nomes de filósofos: John Locke, Jean-Jacques Rousseau, David Hume, Jeremy Benthan.

Relacionando a trama à Odisseia, de Homero, e ao Robinson Crusoé, de Daniel Dafoe, William Irwin e Sharon M. Kaye analisam os traços psicológicos das personagens em Lost e a Filosofia (Editora Madras, R$ 39,90).

Há outros títulos menos interessantes, mas o assunto não se esgota com a exibição dos últimos episódios e o lançamento em DVD e Blu-Ray. Já está previsto para 30 de agosto, nos Estados Unidos, o lançamento da Lost Encyclopedia, de Tara Bennett & Paul Terry. Com 400 páginas e mais de 1.500 imagens envolvendo locações, as relações entre personagens e as mitologias em torno da série, o livro já está em pré-venda no site www.amazon.com, por US$ 29,70.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.