Nós do Morro chega à maioridade com Shakespeare

O primeiro Shakespeare ninguém esquece. Por isso, o grupo Nós do Morro, que chega à maioridade este ano, estréia hoje no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio No Sonho de Uma Noite de Verão, seu primeiro espetáculo de autor estrangeiro. A escolha foi de Guti Fraga, fundador e coordenador do grupo, que vive no palco o Oberon, um dos principais personagens da trama. "O grupo tem uma relação antiga com a Inglaterra e sempre fui apaixonado por Shakespeare, especialmente esse texto, leve, romântico, cheio de fantasia", diz. "Fizemos várias experiências para adaptar a peça, que funciona em qualquer época e contexto como, aliás, acontece com quase toda a obra de Shakespeare."Na versão que leva a assinatura de Luiz Paulo Corrêa e Castro e tem direção de Fernando Mello da Costa, a trupe do Nós do Morro, sai de seu último espetáculo Burro sem Rabo, sobre catadores de lixo, e invade o espetáculo que está sendo montado dentro da peça. "É uma intromissão nos ensaios deles e, num determinado momento, nossos atores perdem a noção do que é cena e do que é a realidade", explica Corrêa e Castro. "A adaptação mantém os jogos de imagem do original, mas mudamos o texto para atualizá-lo, colocando prosa no lugar dos versos e trazendo o vocabulário mais para perto do público de hoje. É um risco, mas na vida a gente precisa corrê-los."Isso é o que o Nós do Morro tem feito há 18 anos, quando Guti Fraga e um grupo de atores decidiram trabalhar com jovens do morro do Vidigal, uma favela da zona sul do Rio, com uma das vistas mais deslumbrantes da cidade, mas também com conflitos acirrados. Desde o início, optou-se por montagens de clássicos do teatro brasileiro alternados com textos deles, contando seu cotidiano. A maioridade encontra o Nós do Morro em sua melhor fase, especialmente depois que alguns de seus atores viraram estrelas nacionais, após participartem do filme Cidade de Deus e, em função disso, terem sido fisgado pelas novelas da Rede Globo. No Sonho de Uma noite de Verão é só uma das atividades do grupo para 2004. No segundo semestre, eles pretendem viajar pelo País com um repertório de três ou quatro espetáculos. "Será ótimo para todos nós conhecer o Brasil, até porque temos convite para apresentações na Inglaterra e não faz muito sentido ir lá fora antes de conhecer bem aqui", conclui Guti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.