Norte-americana é acusada de danificar pintura de US$ 30 milhões

Uma mulher de 36 anos foi acusada de provocar 10 mil dólares em danos a um quadro do falecido artista expressionista Clyfford Still avaliado em mais de 30 milhões de dólares, disseram autoridades do Estado do Colorado.

KEITH COFFMAN, REUTERS

05 de janeiro de 2012 | 13h20

Um relatório policial disse que Carmen Tisch socou e arranhou a pintura, um óleo sobre tela intitulado "1957-J no. 2", exibida no recém-inaugurado museu Clyfford Still em Denver, e depois abaixou as calças e esfregou as nádegas na tela.

Carmen foi acusada de conduta ofensiva na quarta-feira e está detida sob fiança de 20.000 dólares desde o incidente no final de dezembro, disse Lynn Kimbrough, porta-voz do gabinete da promotoria do distrito de Denver.

Kimbrough disse que Carmen urinou depois de se esfregar contra a tela. Ainda está sendo investigado se a urina caiu na pintura, disse ela.

Nascido em Dakota do Norte em 1904, Still é considerado um dos artistas expressionistas mais influentes nos Estados Unidos do pós-guerra, embora não seja tão conhecido como Jackson Pollock.

Still morreu em 1980 e a cidade de Denver trabalhou ao lado de sua viúva, Patricia, durante anos para abrir o museu dedicado a ele. Patricia morreu em 2005, e a coleção de seu marido foi repassada à cidade.

Quatro das obras de Still foram leiloadas pela Sotheby's no ano passado por 114 milhões de dólares para financiar o museu de Denver, que abriu com enorme sucesso em novembro.

Como Still guardava seus trabalhos em segredo, a maioria das peças no museu nunca havia sido exposta.

Tudo o que sabemos sobre:
ARTECOLORADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.