Norman Foster vence Prêmio Príncipe de Astúrias das Artes

Arquiteto britânico criou o projeto do maior aeroporto do mundo, em Pequim, para os Jogos Olímpicos

Efe,

20 de maio de 2009 | 10h52

O arquiteto britânico Norman Foster foi agraciado nesta quarta-feira, 20, em Oviedo com o Prêmio Príncipe de Astúrias das Artes de 2009 por antecipar "com brilho a única cidade possível no século XXI".

 

Foster figurava entre os finalistas junto com a atriz inglesa Vanessa Redgrave, o cineasta espanhol Carlos Saura, o escultor americano Richard Serra, o cantor espanhol Joan Manuel Serrat e o compositor espanhol Cristóbal Halffter.

 

O júri destacou a obra de "alcance universal" do arquiteto e urbanista, que soube conjugar "a qualidade estética, a reflexão intelectual e o diálogo entre território e cidadania, por meio de um domínio original do espaço, da luz e da matéria".

 

As obras de Foster estão espalhadas pelo mundo. Algumas das mais recentes são a estação do metrô de Florença e o maior aeroporto do mundo, construído em Pequim para os Jogos Olímpicos de 2008. Antes de Foster, o Sistema Nacional de Orquestras Juvenis e Infantis da Venezuela havia sido o último agraciado com o Prêmio Príncipe de Astúrias das Artes. Artistas do porte de Woody Allen e Paco de Lucía também já receberam tal honra.

 

Foster é o quarto arquiteto a obter este prêmio. Os outros foram o brasileiro Oscar Niemeyer (1989) e os espanhóis Francisco Javier Sáenz de Oiza (1993) e Santiago Calatrava (1999). Assim como os outros sete prêmios concedidos pela Fundação Príncipe de Astúrias, o das Artes prevê uma premiação de 50 mil euros e será entregue pelo príncipe Felipe de Borbón, herdeiro da Coroa espanhola, em uma cerimônia que será realizada no final de outubro em Oviedo.

Tudo o que sabemos sobre:
Prêmio Príncipe de Astúrias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.