Nomes do teatro nacional reverenciam Harold Pinter

As atrizes Marieta Severo e Nathalia Timberg, o ator Paulo Autran, os dramaturgos Samir Yazbek e Antonio Araújo, entre outros, comentam entusiasmados o Nobel concedido a Harold Pinter. Marieta Severo, atriz: "Que notícia boa. Muito legal, merecidíssimo!" Nathalia Timberg, atriz: "O Harold Pinter é uma unanimidade no mundo teatral, então eu acho que o prêmio foi muito bem entregue." Paulo Autran, ator - Harold Pinter é um dos grandes autores teatrais do século 20. Suas primeiras peças tinham um tom hermético, difícil de entender. Meu primeiro contato com ele foi na leitura da peça Festa de Aniversário, com Cacilda Becker e Walmor Chagas. Foi maravilhoso. Com o tempo ele passou a escrever de forma mais acessível, sempre com intensidade. Em Traições, por exemplo, ele mostra que não existe um assunto esgotado - marido, mulher e amante em um peça absolutamente original. Uma montagem inesquecível foi Volta ao Lar, com Fernanda Montenegro e Ziembinski. Há bastante tempo que um dramaturgo não ganha o Nobel. Eu me sinto honrado e acredito que toda a classe teatral está feliz.? Samir Yazbek, dramaturgo - ?Recebi a notícia com uma espécie de calafrio. É um grande autor - para ser montado e lido. Um dos poucos autores teatrais que se impôs como criador. Que incentivo para a dramaturgia!? Alcione Araújo, dramaturgo - ?Acho importantíssimo conceder um prêmio Nobel para um dramaturgo. Para mim tem a força equivalente ao da física, que contemplou a comissão de energia nuclear. É o reconhecimento da importância do dramaturgo numa época em que o teatro desprestigia o dramaturgo. No teatro ele conseguiu a síntese entre o místico da vida interior dos personagens e o imponderável que cerca a vida concreta. Uma proeza. Criou diálogos nos quais as palavras estão grávidas de um sentido oculto que propõem um desafio a que você não pretenda entender o que elas significam, apenas sugere que aceite como sendo destinação obscura. Os personagens trazem um sentimento de abandono, ninguém é senhor de seus passos, isso é muito contemporâneo. Um dramaturgo na essência da palavra, que não se dispõe a espetacularidades e sim a mostrar o abismo humano. Aos 75 anos, com câncer, ele é um cidadão atuante, se manifesta politicamente, principalmente com relação aos Estados Unidos quanto à ocupação do Iraque?Antonio Araújo, dramaturgo e diretor - O Nobel para Pinter significa reconhecimento de sua obra em vida. No entanto, ele não precisa do prêmio, sua dramaturgia já é conhecida, quando alguém tem um trabalho cômico e ao mesmo tempo trágico costumamos dizer que "pinteriano" - existe consagração maior que ser transformado em um adjetivo? Ele foi criador de um universo e fico muito feliz pela homenagem.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.