No Trastevere

A pizzaria do Trastevere que tinham nos recomendado estava cheia e acabamos num restaurante ao lado, vazio. Éramos quatro. A primeira coisa que fizeram quando nos sentamos foi trazer quatro taças de Prosecco, cortesia da casa. Nos entreolhamos, desconfiados de que pagaríamos caro por aquela cortesia. Nosso instinto de sobrevivência dizia "Corram!" mas o constrangimento nos mandava ficar. Afinal, éramos brasileiros mas de uma região em que a civilização pegara. A própria moça que nos atendia, de blue jeans, em desacordo com a decoração mas em bem ajustado acordo com sua anatomia trasteveriana, não sei se por gratidão por termos ficado ou com sinceridade, não acreditou que fôssemos brasileiros. Descreveu as especialidades da casa e optamos por um rigatoni, precedido, no meu caso, por um carpaccio de peixe. Pelo menos pelo que deu para ver, pois era pouco e sua passagem pelo meu prato foi rápida. Existe uma regra inescapável segundo a qual quanto menores as porções, mais caro o restaurante. Um dia algum empreendedor europeu vai atingir a perfeição e montar um restaurante em que toda a refeição cabe num pires e a conta vem numa travessa.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2011 | 00h00

O rigatoni veio numa cumbuca perto da qual um dedal não se sentiria humilhado e o liquidamos com três garfadas. E como secondo? - perguntou a Blue Jeans, certa de que, para não parecermos brasileiros, não recuaríamos agora. Pedimos o secondo não por constrangimento ou respeito à tradição italiana. Era fome mesmo. Ela recomendou outra especialidade da casa, um peixe chamado "spadolini". Espera aí. Spadolini era o ministro da Defesa na época. Não me lembro do nome do peixe. Que demorou uns bons 40 minutos para aparecer. Como o restaurante continuava vazio, deduzimos que a demora se devia ao esmero com que estava sendo preparado.

E realmente, o próprio chefe trouxe a travessa da cozinha como se fosse um filho recém-nascido. Serviu quatro pratos com cuidados cirúrgicos e os colocou na nossa frente como se seu futuro na profissão dependesse do nosso julgamento. Peixe, uma camada de batatas em cima, molho de tomate em cima das batatas. As batatas estavam cruas e no dia em que souber do seu molho de tomate o Trastevere em peso expulsará o chef e queimará seu restaurante. Foi o pior peixe jamais servido na Itália. Bom, talvez o que serviam nas masmorras do Coliseu fosse pior. Só a conta não decepcionou a expectativa. Era altíssima.

Claro que, para cada experiência como esta, tivemos dezenas de grandes encontros com a culinária romana em várias estadas . Mas que fique a lição: quando for a uma pizzaria bem recomendada do Trastevere e não tiver lugar - espere!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.