No palco, o encontro de dois veteranos do humor

Até a desgraça tem graça para Agildo Ribeiro e Paulo Silvino. Na apresentação da peça Os Anormais, que estréia hoje, a primeira piada de humor negro não demorou. Agildo explicava a ausência do diretor da montagem, Miele - que machucou a cabeça e os joelhos ao despencar da varanda de sua casa, no mês passado. "O Miele ficou tão empolgado com o projeto que mergulhou de cabeça - no asfalto. Foi bom, porque a cabeça dele abriu e acabou saindo um monte de titica que tinha lá dentro."Titicas também saíram aos montes da boca dos dois humoristas durante a entrevista coletiva concedida na terça-feira. Apesar da longa convivência em programas humorísticos da televisão, eles nunca contracenaram no palco. E, ao contrário do que se esperava, também não será dessa vez que isso acontecerá. Por causa da falta de tempo e as complicações causadas pelo acidente com Miele, Os Anormais trará números solos dos dois comediantes, com aproximadamente 45 minutos cada. No final, eles dão "uma canja juntos".Veteranos da piada, eles não vêem muita graça nos novos programas de humor. "O Jô Soares é a melhor descoberta recente do humor brasileiro", brinca Silvino. "Já para mim, a última grande revelação foi Rogério Cardoso", completa Agildo. Eles só aliviam a crítica em relação ao Casseta & Planeta e ao Zorra Total - do qual os dois participam. "Mas quando os personagens começam a fazer sucesso, eles tiram do ar", reclama Silvino.Dos tempos de clássicos como Planeta dos Homens e Balança, Mas Não Cai, Agildo tem 71 anos e Silvino, 64. "Sou uma moçoila perto de você", diz o segundo. Sempre associado com a imagem de seus vários personagens tarados, ele diz que o estigma não é à toa. "Não vou dar detalhes mas, até hoje, nunca tive uma reclamação. Tenho uma namorada de 32 anos, fogosa, que gosta de ser bem atendida. Ainda não precisei de Viagra - talvez, quando tiver a idade do Agildo", cutuca. "Eu tomo mesmo, até para fazer xixi", responde Agildo.Sem deixar o saudosismo tomar conta, Agildo interrompe. "Espero que a gente também não morra no palco do Tom Brasil. Já pensou: ´Agildo Ribeiro e Paulo Silvino morrem de emoção na estréia.´" Seria uma desgraça (sem graça) para o humor brasileiro.Os Anormais. Sexta e sábado às 22h, e domingo às 19h. Tom Brasil (R. das Olimpíadas, 66. Tel. 5644-9800), até 7 de setembro. Preço: R$ 30 a R$ 60.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.