No palco, histórias, brincadeiras e uma homenagem

Simpático e amável com o público, Rufus contou que sua mãe, morta de câncer em 2010, adorou a viagem que fez ao Brasil e agradeceu aos brasileiros por terem proporcionando tantos prazeres a ela. Ele também brincou com uma cena em que viu no cinema de Tom Jobim cercado de mulheres bonitas e disse que quando envelhecer também quer ficar daquele jeito, só que com homens à sua volta. No bis, pediu para o iluminador apagar as luzes sobre o público, dizendo, bem-humorado: "A estrela sou eu". Sobre Jeff Buckley, contou que sentia uma certa inveja dele, especialmente pelo álbum Grace, em que ele gravou a melhor versão de Hallelujah, de Leonard Cohen. Buckley foi ver um show de Rufus e depois contou que tinha gostado muito, o que os fez se tornarem amigos. poucos meses depois ele morreu tragicamente afogado. O medley em homenagem a Buckley foi um dos pontos altos do show. / L.L.G.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.