No Masp, a obra de arte chamada Fernanda Tavares

Fernanda Tavares já conseguiu alguns feitos na carreira de modelo como ser considerada pela revista Cosmopolitan uma das 100 mulheres mais lindas do mundo e estampar campanhas de peso, com a que faz para a L´Oreal. Agora, a brasileira se prepara para um feito histórico: ser alvo de uma exposição no Masp chamada Camaleoa. A partir de hoje, 40 fotos da modelo estarão em exposição no primeiro andar do museu. Serão imagens de campanhas de Fernanda e 12 fotos inéditas, que estarão no calendário 2003 organizado pela modelo.O calendário é um projeto pessoal da moça, que o classifica como uma "obra de arte". "Não é apenas uma folhinha com os dias e meses do ano. É como se fosse um quadro que pode ser fixado na parede", explica. Morando em Nova York desde 1998, a modelo contou que decidiu lançar o trabalho no Brasil porque quis se reaproximar do mercado de moda de seu país. "Estou sempre sendo chamada para desfiles aqui, mas nos últimos dois anos, priorizei minha carreira internacional."Fernanda convidou seis fotógrafos de sua preferência para clicá-la, André Schiliró, Jacques Dequeker, Bob Wolfenson, Cristiano, Daniel Klajmic e Thelma Vilas Boas. Cada um deles assina duas fotos do calendário. O trabalho foi feito com base em seis temas: visibilidade, multiplicidade, leveza, pureza, rapidez e exatidão. "Decidi deixá-los à vontade para me ´encaixar´ em cada um destes conceitos."A edição do calendário é limitada. Serão 1.500 exemplares que não estarão à venda e serão distribuídos para os clientes de Fernanda, agências de publicidade e propaganda.Nascida em Natal, no Rio Grande do Norte, Fernanda Tavares ganhou o mercado externo por sua beleza bem brasileira, ao contrário do que aconteceu com a top Gisele Bündchen, um tipo mais europeu. A modelo, que recentemente comprou uma casa em São Paulo, diz que a exposição e o calendário não significam que ela esteja deixando o mercado internacional. "Muito pelo contrário. Volto para Nova York depois do lançamento e continuo investindo no mundo da moda na Europa e dos Estados Unidos", avisa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.