"No Limite" alemão fecha com baixa audiência

A versão alemã do popular programa de televisão internacional Big Brother, que também inspirou o brasileiro No Limite, termina hoje a sua segunda temporada marcada pela baixa audiência. A segunda série teve duração de 106 dias e começou com a presença de 12 pessoas dispostas a morar juntos e serem filmadas 24 horas por diaNo entanto os telespectadores foram perdendo o interesse pelo "reality show". No início da segunda temporada o programa alcançava índices semanais de 22,7%, mas a sua audiência despencou chegando a uma média de 14,5% na semana passada. No domingo, dia 17 de dezembro, o programa teve o seu pior momento, quando apenas 7,6% do público entre 14 e 49 anos estavam ligados no canal que exibe a produção da empresa holandesa Endemol. Os produtores e o canal privado RTL, que transmite o programa, esperam para o final uma recuperação das marcas. Hoje será decidido quem dos três candidatos - dois homens e uma mulher - que sobraram com a expulsão dos outros 9 competidores do programa, levará o prêmio de valor próximo à US$ 120 mil. Apesar da queda da audiência, a produtora Endemol está satisfeita com os resultados econômicos alcançados com a segunda série, que de acordo com os cálculos provisórios moveu entre 20% e 25% mais que os quase US$ 23 milhões da primeira série.A Endemol e o canal RTL já estão preparando a terceira série, para final de janeiro de 2001, que também começará com 12 candidatos e vai durar o mesmo tempo, 106 dias. Ainda não se concretizaram, no entanto, os planos da Endemol de lançar um Big Brother gigante, com duração de um ano e com um prêmio por volta de US$ 2,3 milhões ao ganhador

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.