No cenário de Glauber Rocha

50 anos depois, Monte Santo ainda guarda lembranças de Deus e o Diabo na Terra do Sol

João Villaverde, enviado especial

26 de maio de 2013 | 02h07

MONTE SANTO (BA) - Cidade ícone do cinema brasileiro, a pequena Monte Santo, encravada no meio do sertão baiano, é um misto de história e esquecimento. Em suas terras, o cineasta Glauber Rocha filmou seu clássico maior, Deus e o Diabo na Terra do Sol, em 1963. Cinquenta anos mais tarde, a cidade de rica história seguiu seu rumo, e guarda pouco dos jovens baianos que ali produziram um dos grandes marcos do Cinema Novo.

A partir da história contada em Monte Santo - que só foi estrear nos cinemas no ano seguinte -, nasceu a mais criativa e ambiciosa geração de cineastas brasileiros, reconhecida com prêmios em festivais como Cannes (França) e Veneza (Itália), e por mestres da arte, como os diretores Jean-Luc Godard, Luis Buñuel e Martin Scorsese.

Cinquenta anos depois de Glauber, o Estado percorreu as ruelas do município, incluindo a famosa escadaria de pedra encravada na serra de Santa Cruz, que permanece igual àquela filmada em 1963. Mantida pela prefeitura de Monte Santo e pelos fiéis que fazem dela trajetória de procissão até a pequena capela no alto do morro, a escadaria de três quilômetros foi também personagem - dentro e fora das telas.

Em Deus e o Diabo, os moradores de Monte Santo, que interpretam beatos seguidores de São Sebastião, são assassinados no local por Antônio das Mortes, que atira com sua espingarda do alto da escadaria. A cena é fundamental para o enredo. Sem os beatos, os protagonistas Manuel e Rosa partem em busca de outro guia, que surge na figura do cangaceiro Corisco, o braço direito de Lampião.

Mas, fora das telas, a escadaria também teve papel no filme - ao realizar a dramática passagem em que o vaqueiro Manuel sobe de joelhos os degraus de pedra, com um enorme pedregulho apoiado na cabeça, o ator Geraldo Del Rey sofreu um grave ferimento na base do crânio, e precisou ser tratado em um hospital de Salvador, paralisando as filmagens por três dias.

Em 1963, a maior parte do pouco mais de mil habitantes de Monte Santo ainda se lembrava do grupo de Lampião, e os mais velhos tinham memórias do conflito em Canudos. Em sua biografia de Glauber, Nelson Motta anotou: "Com a chegada da equipe de filmagem, a cidade, mergulhada em profundo clima místico, acordou de sua letargia e passou a viver entre a fantasia, o mito e a realidade".

Monte Santo seguiu seu rumo. A cidade que nasceu da descoberta do meteorito do Bendengó, em 1784, até hoje o maior já encontrado no Brasil, que um século depois serviu de base para o Exército que o governo federal enviou para esmagar Antônio Conselheiro e seus beatos na vizinha Canudos, e que viu Lampião (na década de 1930) e Glauber Rocha (em 1963), continua mística. O clima seco e as ladainhas dos beatos ainda estão lá. O passado não atrasou Monte Santo, que viu sua população aumentar 50 vezes nos últimos 50 anos.

Mais conteúdo sobre:
Monte SantoGlauber Rocha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.