Divulgação
Divulgação

'No Brasil não dá para um homossexual se sentir feliz', diz Carlos Tufvesson

Longe das passarelas, mas presente na luta pelos direitos dos homossexuais, o estilista Carlos Tufvesson desistiu de concorrer ao cargo de vereador do Rio de Janeiro nas eleições de 2012, mas segue na militância. Ele continua na Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual, órgão da Prefeitura do Rio, e pensa no cargo político para o futuro. "Apenas um adiamento. A candidatura é algo mais complexo que imaginava", disse.

Gabriel Perline, do estadão.com.br,

29 de junho de 2012 | 15h40

 

Ativista gay e casado com o arquiteto André Piva, Tufvesson disse ao E+ que a falta de leis a favor dos homossexuais impede a sensação plena de felicidade. "No Brasil ainda não dá para que um homossexual se sinta feliz. O nosso Congresso Nacional até hoje não aprovou uma lei sequer em favor dos LGBTs. Para exercer um direito que a Constituição lhe confere ainda se faz necessário brigar na Justiça", afirmou. Lembrou, ainda, do caso dos irmãos gêmeos heterossexuais que foram agredidos por estarem abraçados, nesta semana em Camaçari (BA). Um deles morreu a pedradas e facadas.

 

O que te fez desistir da candidatura política no Rio de Janeiro?

Não houve desistência, apenas um adiamento. A candidatura é algo mais complexo que imaginava, envolve diversas demandas. Como está hoje em dia, para consolidar uma candidatura é preciso montar uma empresa e, paradoxalmente, tinha fechado a minha por não aguentar mais ter 90 funcionários, Acabei convidado pelo prefeito Eduardo Paes para ser titular da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual. Hoje vejo a necessidade mais do que imediata de uma reforma política urgente no País.

 

Em todas as eleições há candidatos com projetos ligados à comunidade gay, mas são raros os que conseguem algo. Existe falta de apoio dentro do grupo?

O voto está ligado à crença de que o candidato é bom e lhe representará. Muitos dos candidatos ligados à comunidade gay não possuem real representatividade. O apoio depende desta representatividade. Evidentemente isto não significa negar que existam muitos homossexuais desacreditados de uma política que nega sua própria existência. 

 

Na sua opinião, os movimentos atuais de militância, como as paradas que acontecem em diferentes datas, ainda possuem teor político ou se transformaram em um grande carnaval fora de época?

As paradas continuam possuindo teor político de afirmação, chamando a atenção de todos acerca da existência dos LGBT como cidadãos. Mesmo a "festa" também possui caráter político, uma vez que se trata de um dia do ano no qual lésbicas, gays, bissexuais e transexuais sentem o direito de se expor, sem medo de ser o que é. Isto não significa que as paradas não devam ser mais politizadas, no sentido de conscientizar os presentes de exercerem seus direitos, inclusive, realizando denúncias. 

 

Mesmo sendo famoso você ainda sofre preconceito?

Sendo muito sincero, não. Mas tenho a plena consciência de que todos os dias cidadãos homossexuais são vitimas de preconceito, bullying de todo tipo, tortura física e psicológica. Os crimes de ódio crescem a cada dia sem sinal que não serão mais tolerados. Basta ver nos jornais o caso dos irmãos de Camaçari (BA) para ver a que ponto chegou essa banalização da violência. Até cidadãos não homossexuais estão sendo vitimas de crimes de ódio homofóbico. E isso porque eles "pareciam ser gays". Se você olhar no Youtube, você verá pessoas em plena infração do Código Penal por curandeirismo, sem que nada lhes aconteça. Tudo às claras. Até chaveirinho da 25 de março usam fingindo ser demônio enganando a população de boa fé. Até quando? É esse o futuro que queremos para nosso País? Essa resposta cabe a toda sociedade de bem!

 

Como está o processo de conversão de sua união estável em casamento?

Ingressei com uma medida judicial denominada "Reclamação" junto ao Supremo Tribunal Federal a fim de que se faça cumprir no Juízo da Vara de Registro Público da capital do Rio de Janeiro a decisão da Corte Máxima na ADPF 132. Ela impôs a todos os tribunais do País que passem a dar idêntico tratamento da união estável de casais heterossexuais para casais do mesmo sexo, inclusive, em todos os seus efeitos. Um dos efeitos do reconhecimento à união estável é a imposição constitucional da facilidade de sua conversão em casamento. Portanto, entendo que o juiz da Vara de Registro Público está descumprindo esta decisão que, juridicamente, possui efeito vinculante e erga omnes (termo usado no meio jurídico para indicar que os efeitos de algum ato ou lei atingem todos os indivíduos de uma determinada população ou membros de uma organização).

 

O que falta no Brasil para que o casamento gay seja legalizado?

Que o legislativo cumpra o seu papel de legislar para todos os seus cidadãos, inclusive LGBT. Legal o casamento já é, apesar de inexistir legislação específica. O Superior Tribunal de Justiça já apreciou esta questão e se manifestou que pessoas do mesmo sexo possuem direito de se casar.

 

No Dia Do Orgulho Gay, celebrado na quinta-feira (28), você comemora feliz o fato de ser gay? Por quê?

No Brasil ainda não dá para que um homossexual se sinta feliz. O nosso Congresso Nacional até hoje não aprovou uma lei sequer em favor dos LGBTs. Para exercer um direito que a constituição lhe confere ainda se faz necessário brigar na Justiça.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.