Nicole Kidman brilha na abertura da mostra "Chanel"

A história, o estilo e as criações da casa de alta costura Chanel estão na exposição retrospectiva Chanel, no Costume Institute, do Museu Metropolitano de Arte (MET), que mostra como a estilista Gabrielle "Coco" Chanel transgrediu as noções de bom gosto, elegância e beleza.A exposição lembrará os temas e os desenhos de Chanel através de modelos e acessórios pertencentes às coleções da casa e do Costume Institute, afiliado ao museu, desde os anos 20.Através de apropriações formais e intelectuais do vestuárioesportivo, masculino e dos uniformes de militares e de marinheiros,Coco Chanel criou uma moda que rompia com as tradições de sua época.Como demonstram os modelos expostos no museu, a estilistadesenvolveu um corte moderno e uma tipologia de vestuário particularque inclui seus famosos vestidos folgados do tipo camisão e ostrajes de duas e três peças. Mas o modelo que marcaria a moda por sua praticidade e resistência ao tempo foi o de seu vestido preto de corte simples, clássico e elegante, com saia no joelho.Definidos por sua silhueta simples e falta de pretensão, osdesenhos reducionistas de Chanel sempre seguiram o estilo de vida damulher moderna. Outra de suas inovações foi o uso de materiais "plebeus" como a malha, até então associada à roupa íntima masculina, e os contrastes entre branco e preto nos punhos das mangas e na gola, uma referência aos homens "dandys" de sua época.Com o uso de tecidos práticos e as referências à roupa esportiva,masculina e de militares, Coco Chanel se libertou das restrições quea moda feminina da época impunha. "Em minha juventude, as mulheres não pareciam humanas. Suas roupas eram contra o natural. Eu devolvi a elas sua liberdade, lhes dei braços e pernas de verdade, movimentos que eram autênticos e davam a possibilidade de rir e comer sem ter necessariamente que desmaiar", dizia Chanel.Coco Chanel nasceu em Saumur (França), em 1883, mas como boamulher faceira, sempre mentiu a respeito de sua idade e dizia quetinha nascido em 1893. Ela passou sua infância num orfanato, mas ascendeu aos poucos à alta sociedade parisiense mantendo contato com aristocratas efiguras políticas da época. Graças ao poder e aos contatos de seus amantes, entre eles um rico oficial militar e um endinheirado empresário inglês, ela conseguiu abrir sua própria chapelaria e, a partir daí, administrou o negócio e a arte da roupa.Como diz um texto apresentado na mostra, Coco Chanel acreditavaque a "moda é lagarta e borboleta" ao mesmo tempo. "Seja uma lagarta de dia e uma borboleta de noite", aconselhava às mulheres. "Não há nada mais cômodo do que uma lagarta, nem nada é melhor para o amor que uma borboleta. A borboleta não vai ao mercado e a lagarta não vai à festa".FestaAs celebridades se vestiram com seus melhores trajes para o baile de gala do Costume Institute, chamado de "a festa do ano", no Museu Metropolitano de Arte (MET). Uma mistura eclética de artistas e celebridades compareceu, na noite de segunda, para comemorar a abertura da mostra Chanel, uma das mais antecipadas e esperadas retrospectivas de moda. A mostra abre amanhã para o público."Não há outro exemplo no mundo da moda de uma grife sobrevivendo há cem anos e ser, ainda, uma das tops em moda e a top das tendências", disse Karl Lagerfeld, estilista da Chanel desde 1985.Nicole Kidman, garota-propaganda do perfume Chanel N.º 5, foi uma das anfitriãs do baile, ao lado de Lagerfeld e Anna Wintour, editora da revista Vogue.Entre os convidados estavam Liam Neeson e Natasha Richardson, Sheryl Crow, Jessica Simpson, Mary-Kate e Ashley Olsen, Marcia Cross, ElijahWood e, sim, Marilyn Manson, que usou um casaco preto militar com batom escuro e maquiagem preta nos olhos.Melania Trump, mulher de Donald Trump, estava entre as vestidas com as tradicionais cores de Gabrielle "Coco" Chanel, o preto e o branco. Naomi Watts estava de branco. Entre as que optaram pelo preto estavam Mariska Hargitay e Lauren Bush.Contra a tendência do preto-e-branco, Elle Macpherson usou um vestido tomara-que-caia em tons de verde; Lil´ Kim estava de vermelho; e Christian Slater, que usou uma camisa brilhante vermelha com um terno escuro.A peça Mademoiselle Chanel, atualmente em cartaz, retrata a vida da estilista, interpretada pela atriz Marília Pêra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.