News Corp está perto de acordo sobre grampos telefônicos

A News International, braço britânico da News Corp que inclui o já desativado jornal News of the World, está perto de fazer acordos sobre muitas das acusações de grampos telefônicos contra a empresa, afirmaram advogados das vítimas à Reuters nesta quarta-feira.

GEORGINA PRODHAN E KATE HOLTON, REUTERS

18 de janeiro de 2012 | 17h43

Uma porta-voz da News International recusou-se a comentar o tema antes de uma audiência pré-julgamento que deve ocorrer na manhã de quinta-feira. Ela será realizada perante um juiz que deve começar a ouvir casos no mês que vem.

Muitos dos acordos devem ser anunciados na quinta-feira, sujeitos à aprovação do juiz, disse Geoffrey Vos.

Geral Shamash, advogado que representa cinco importantes vítimas, incluindo o treinador de futebol aposentado Paul Gascoigne, afirmou que todas as suas reinvindicações estavam sendo solucionadas, embora os acordos não devam ser anunciados antes de quinta-feira.

"Estamos a caminho de resolvê-las", disse à Reuters.

Outros clientes de Shamash com acusações contra a News Internacional são Alistair Campbell, especialista em comunicação do ex-primeiro-ministro da Grã-Bretanha Tony Blair; Phil Hughes, agente da estrela do futebol George Best; Elliot Morley, ex-ministro do governo; e Jimmy Gardner, amigo de Gascoigne.

A News Internacional lançou em novembro uma proposta de compensação para as vítimas de invasão de chamadas telefônicas, prometendo pagar 10 por cento a mais que o valor considerado apropriado por Charles Gray, ex-juiz que inspecionava o plano.

A empresa enfrenta mais de 60 acusações, mas o número de possíveis vítimas é de quase 6 mil, segundo a polícia.

Um advogado envolvido afirmou que apenas algumas acusações menores deveriam permanecer em andamento após os acordos que devem ser anunciados, o que significa que o interesse do público no processo deve ser amenizado.

Tudo o que sabemos sobre:
MIDIAREINOUNIDONEWSCORPHACKING*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.