New York Times fura embargo e resenha livro de Harry Potter

O jornal New York Times publicou naquinta-feira uma resenha do sétimo e último volume da sérieHarry Potter, antecipando-se ao início das vendas e atraindoduras críticas da editora britânica da obra. A resenha, assinada por Michiko Kakutani, apareceu durantea noite no site do jornal. "Harry Potter e as Relíquias daMorte" só poderá começar a ser vendido, na versão em inglês,quando os relógios londrinos marcarem 0h01 de sábado (ou seja,às 20h01 de sexta-feira, no horário de Brasília). A Bloombsbury, que publica a série na Grã-Bretanha, e aScholastic, editora nos EUA, gastaram milhões de dólares paratentar preservar a surpresa dos leitores até a publicaçãooficial. Mas cópias das "Relíquias da Morte" -- algumas supostamentefalsas, outras verdadeiras -- acabaram indo parar na Internet,e nesta semana alguns exemplares foram enviados por um site devendas dos EUA a seus clientes, provocando uma reação judicialda Scholastic. A conclusão da série deve ter a tiragem com esgotamentomais rápido na história editorial. Os meses que antecederam aolançamento foram de intensas especulações entre os fãs,inclusive sobre o destino do menino-mago e de seus amigos deHogwarts. A resenha do New York Times diz que o exemplar foiadquirido na quarta-feira em uma livraria de Nova York. A Bloosmbury se disse "muito triste" com a resenha,acrescentando que faltava só um dia para a liberação mundial dolivro. Só no mercado dos EUA foram impressos 12 milhões deexemplares. "Estaremos dependendo do apoio da mídia para permitir queos fãs leiam o livro por si sós, ao invés de terem de verresenhas que podem se basear em posts falsos da Internet.Faltam só algumas horas", disse uma assessora de imprensa daeditora. O tom da resenha é positivo. Kakutani entrega algunsdetalhes da trama, inclusive quantos personagens morrem, masnão responde às principais dúvidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.