Neurose dá voltas em torno de si mesma até cair no vazio

Um pouco, ou melhor, muito da trip literária do autor passa direto para o filme. Natimorto, o livro, é um autêntico exemplar da, digamos, cosmovisão de Lourenço Mutarelli. Um travo bastante amargo da existência, um tom chegado ao dostoievskiano, o encerramento em si, o culto do espaço fechado, o humor um tanto sórdido. Não se disfarça, aqui, que a literatura, como em muitos outros casos, possa ser uma espécie de epifenômeno catártico, bem ou mal resolvido. Na verdade, a escritura parece funcionar como função curativa, destinada a tamponar neuroses, mas este é outro departamento de análise.

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

29 Abril 2011 | 00h00

Na história, o protagonista é alguém que faz leituras de tarô naquelas imagens de mau gosto impressas em maços de cigarro, ali colocadas para, supostamente, dissuadir fumantes. Ele se une a uma cantora sem voz, também ela tabagista militante. Ambos passam a morar num quarto de hotel. Ele não quer deixar o aposento; ela dá suas saidinhas. E é tudo. Ou, por outro lado, esse fiapo de história pretende abarcar um mundo, caso tivesse eficácia.

O personagem, sem nome, é interpretado pelo próprio Mutarelli; a cantora afásica, pela atriz Simone Spoladore. Há um desnível de atuação entre os dois, que poderia ter até beneficiado o filme. Afinal, ele é feioso, desajeitado, assexuado, e não precisa fazer qualquer esforço para expressar o mal-estar que aquela situação está lhe causando; constrangimento que poderia ser traduzido como mal-estar no mundo, o que é bem o tema de fundo do filme como do livro. Ela é intensa, expressiva, cheia de vitamina sexual.

O diretor faz o que pode para manter a tensão dentro do ambiente fechado que lhe propõe a peça literária. Inclusive, o trabalho fotográfico, de Lito Mendes da Rocha, é dos mais interessantes, opressivo. O que funciona menos é esse desenvolvimento de neurose sem tema, que fica rodando em círculos sem conseguir se desenvolver. A impressão de neura repetitiva se impõe num ritmo cansativo que dá voltas em torno do seu próprio vazio. Qualquer terapeuta sabe como uma neurose pode ser chata, em especial para o próprio neurótico. No caso do personagem interpretado/vivido por Mutarelli, esse círculo sem fim da ruminação existencial não é interrompido por qualquer sacada que o ilumine ou quebre. Apesar das insinuações finais, é ele o seu próprio canibal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.