Neue Galerie de NY desiste de cobrar US$ 50 de entrada

A Neue Galerie de Nova York voltou atrás e decidiu não cobrar mais US$ 50 de entrada (cerca de R$ 120). O museu, que recebeu há poucos dias o famoso retrato da nobre vienense Adele Bloch-Bauer, pintado por Gustav Klimt, considerado o quadro mais caro do mundo, tinha instituído que cobraria o altíssimo valor em apenas um dia da semana, para quem desejasse conhecer a obra. A medida tinha estabelecida devido ao interesse do público em admirar o quadro, o que provocou filas e multidões nas salas do pequeno museu, que pode receber ao máximo 350 pessoas. Mas a decisão provocou muitas polêmicas e a galeria, em meio aos milhares de telefonemas de protesto, voltou atrás: o bilhete de US$50 foi anulado e nas quartas-feiras a admissão será reservada aos membros do museu. A entrada normal para o museu de arte austríaca e alemã custa US$15, de quinta a segunda-feira. O quadro de Klimt foi adquirido por US$ 135 milhões, o preço mais alto já pago por uma pintura. O hábito de dedicar dias especiais para visitas menos tumultuadas já foi adotado em Nova York pelo Metropolitan Museum, que cobra US$50 pela entrada nas segundas-feiras, dia de fechamento ao público.

Agencia Estado,

19 de julho de 2006 | 18h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.