Nelson Rodrigues é tema de coleção de moda

Unir a moda à arte não é um conceito novo. Cada vez mais os estilistas utilizam-se de idéias de artistas em seus desfiles e coleções de roupas. Mas Tito Bessa Júnior, dono da rede de lojas TNG, quer ir mais longe efazer desse encontro um real intercâmbio entre os profissionaisda moda e das diferentes áreas artísticas. Por conta disso, feza última coleção de sua marca baseada em Burle Marx e agora quercombinar as propostas de seus estilistas à obra e à vida do dramaturgo Nelson Rodrigues, no ano em que secompletam 90 anos de seu nascimento.Para realizar esse intercâmbio, o empresário entrou emcontato com a agência cultural ComTato. "A nossa agência faz o acompanhamento de projetos culturais de longo prazo, apoiando-o do começo ao fim" conta Cláudia Taddei, sócia da agência com Érika Facca. Apósexplicar qual era sua proposta, a agência passou a congregarprofissionais que se identificassem com o projeto. "Pensamos emjuntar o lançamento da coleção de verão da TNG, baseada emNelson Rodrigues, com eventos culturais paralelos que lembrem adata dos 90 anos de seu nascimento."Para isso chamaram o produtor Márcio Macena e o diretorteatral Marco Antônio Braz, que tem um vasto currículorodriguiano, como a montagem de Perdoa-me por me Traíres,que ficou mais de dois anos em cartaz e foi sucesso de público ecrítica, Viúva, porém Honesta e Bonitinha, mas Ordinária, entre outras. Desta vez, no entanto, não será levada ao palcouma obra pronta, mas seis contos que estão sendo adaptados pelofilho do autor, Nelsinho."Os contos são bastante diferentes,mas todos tratam da questão de como lidar com o tédio inerente aqualquer vida conjugal", conta Braz. "A adaptação modificaráprincipalmente o papel do narrador, que estamos pensando emtransformar em um leitor." O nome de Nelsinho como adaptadorsurgiu porque, além de profundo conhecedor da obra de seu pai,ele já verteu textos para a televisão e para o cinema. "Nós nosconhecemos de longa data, pois tenho muito contato com a famíliado Nelson; esse projeto era antigo e a sua realização veio emmuito boa hora", comenta.Para o diretor, formado em artes cênicas pela UniRio eegresso do CPT (Centro de Pesquisa Teatral), de Antunes Filho, aidéia de aliar sua pesquisa sobre a obra de Nelson a umevento de moda no início pareceu meio estranha. "Mas a partirdo momento em que comecei a tomar contato com a equipe deprodução e a entender realmente a motivação do projeto, meuspreconceitos ruíram", diz. Para aprofundar o conhecimento daequipe da TNG sobre o universo de Nelson Rodrigues, o diretorrealizou alguns workshops com eles, nos quais liam os contos ediscutiam sobre diversos aspectos da obra. "Os estilistas estãolendo toda a obra do Nelson e começam a discuti-la cada vez commais propriedade", observa. Além da coleção temática, ofigurino da peça também será desenvolvido por essa equipe. "Aoaceitar participar da empreitada, me dei conta de que esta é umaoportunidade muito boa para que se difunda cada vez mais a obrado Nelson e acabem com os estereótipos sobre suacriação", argumenta Braz.O caráter popular do projeto, que quer vincular a obrado dramaturgo com a venda de roupas, passa por uma campanhapublicitária maciça que inclui outdoors de toda a cidade,propagandas em revistas e jornais de grande circulação ediversas promoções que unirão a compra de produtos à de ingresso. "Esse conceito visa a fazer uma ponte entre ocomércio e o teatro. Falta, muitas vezes, essa iniciativa, queincentiva as pessoas a irem mais ao teatro", acredita CláudiaTaddei. "Para que isso ocorra, não poderia haver melhor marca,pois a TNG tem cerca de 80 lojas espalhadas por todo o País."Para que um maior número de pessoas se interesse em ir ao teatro, o elenco, que ainda está em fase de definição, contará comnomes de peso da televisão nacional. "Queremos levar a massa aoteatro, então, temos de contar com rostos conhecidos dela",explica Braz. "Mas em primeiro lugar está a qualidade doprojeto, por isso exigi atores conhecidos e talentosos."O lançamento da coleção ocorrerá em março e a peçaestreará no dia 5 de abril no Teatro Augusta, em São Paulo.Passados os feriados de ano-novo, os ensaios começarão em ritmoacelerado. "Essa foi outra exigência minha, pois não consigoestrear uma peça sem no mínimo três meses de ensaio", garante odiretor. "Todos os requisitos para um trabalho teatral de altonível foram respeitados, como um bom elenco e tempo paratrabalhar. É por isso que eu e o Nelsinho achamos que a respostado público será muito positiva." O orçamento do projeto aindanão está fechado, mas o patrocínio para a montagem é da própriaTNG. "Buscaremos co-patrocínios, pois a idéia é estender oprojeto o máximo possível", conta Cláudia.Repertório - O elenco da nova montagem capitaneada porBraz não contará com nenhum dos atores do seu grupo, o Círculodos Comediantes, que conta com Maurício Marques, Virgínia Bukowski, PatríciaGordo, Sílvio Restiffe, Alejandra Sampaio, Adriana Dhan eEdmilson Cordeiro. Explica-se: eles serão o próximo elenco aocupar a sala de repertório do TBC, onde apresentarão cincoencenações de textos de Nelson só neste primeiro semestre. "Játemos algumas montagens prontas, ensaiadas à exaustão, como a doBeijo no Asfalto; precisávamos só do espaço", comentaBraz.Além de Beijo, estrearão simultaneamente Viúva,porém Honesta, em uma nova versão, e o monólogo Valsa Número6, com a atriz Rejane Arruda. "Depois de muitos anos,finalmente encontrei uma atriz que sabe tocar piano e, mais doque isso, sabe tocar a valsa número 6 e bem", exulta Braz. Asmontagens das peças A Falecida e Dorotéia estréiam emabril. "Ocupar essa sala do TBC será ótimo, pois haveráespetáculos de quinta a domingo, com duas sessões por dia. Assim, até o fim do ano, teremos um amplo painel da obra de Nelson. Emum ano comemorativo, ainda por cima", diz o diretor, que tem emmente montar todas as 17 peças do autor, em um futuro próximo.Por enquanto, o grupo só conta com o patrocínio do próprio TBC,que cedeu a sala. "Esse é um grande patrocínio, dos maisimportantes que existem, mas ainda estamos pleiteando outrasparcerias, que espero sejam fechadas já neste início do ano",especula o diretor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.