Nelson Freire de volta aos concertos

Pianista toca Schumann em concerto hoje à noite no Municipal do Rio, sob regência de Isaac Karabtchevsky

ROBERTA PENNAFORT / RIO, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2013 | 02h12

Sem se apresentar desde fevereiro por causa de problemas de saúde, Nelson Freire volta aos palcos hoje à noite, em concerto no Teatro Municipal do Rio. O pianista teve de cancelar uma série de datas na Europa, mas, sentindo-se melhor, toca com a Orquestra Petrobrás Sinfônica (Opes), sob a regência de Isaac Karabtchevsky. Fará o Concerto para Piano e Orquestra em Lá Menor (op.54), de Schumann.

"O concerto de Schumann é um de meus preferidos, entre os mais perfeitos escritos para o piano. A última vez que o toquei foi em fevereiro, na sala do Royal Concertgebouw de Amsterdã. Tenho concertos nos Estados Unidos e no Canadá em novembro", disse, em entrevista sucinta dada por e-mail ao Estado. Sua agenda tem datas fechadas até 2016.

Sempre reservado, o principal nome do piano brasileiro prefere não entrar em detalhes sobre os motivos que o levaram a se afastar brevemente dos palcos. A última apresentação antes da pausa tinha sido em Colônia, na Alemanha, para uma gravação de Chopin que sairá pela Decca. Desde então, no entanto, não deixou de praticar. E o marco da retomada é o concerto com a Opes. O programa será aberto com Beethoven.

"Os próximos concertos começam em agosto com a Orquestra Sinfônica Brasileira na Sala São Paulo, uma série de recitais na Europa, no Festival de la Roque D'Anthéron, de Saint-Prex, Annecy, dois em Varsóvia e a turnê de vários concertos na Europa também com a Osesp", citou. Com a orquestra paulista, ele vai se apresentar em palcos como a Salle Pleyel, em Paris; o Victoria Hall, em Genebra; a Tonhalle, de Zurique; o Konzerthaus, de Viena; e o Festspielhaus, em Salzburgo. Neles, vai interpretar duas peças: o Concerto nº 4 de Beethoven e o Concerto nº 2 de Chopin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.