National Gallery expõe um Renoir mais experimental

A National Gallery de Londres está preparando uma exposição que mostrará um Renoir mais audacioso e experimental, e terá quadros de coleções do Brasil.É o que explica à EFE o curador canadense Chris Ripelle, que optou pelas duas primeiras décadas da longa carreira do artista francês, ou seja, a etapa que vai de 1865 a 1883.Intitulada As Paisagens de Renoir, a exposição ficará aberta ao público de 21 de fevereiro a 20 de maio, e reunirá cerca de 70 quadros de museus e coleções vindas - além do Brasil - da Europa, dos Estados Unidos e do Japão."Escolhemos suas paisagens, porque até agora não tinham sido estudadas de modo isolado, e é justamente nesses anos que Renoir se mostra mais inovador, mais dado à experimentação e à busca por soluções", assinala o especialista."Há paisagens de Renoir que são como manchas de verde, ou que se diferenciam por sua grande audácia construtiva, e que mostram como Renoir não tira o pincel em nenhum momento", assinala Riopelle.O ano de 1896 foi fundamental para Renoir, pois foi quando se reuniu no verão com Monet, em Saint-Michel, para pintar.Renoir e MonetRenoir e Monet pintaram muitas paisagens semelhantes, algumas vezes do mesmo ponto de vista, como de banhistas em Croissy-sur-Seine, num local conhecido como La Grenouillère.Ripelle quis destacar essa relação entre os dois artistas, e incluiu um quadro de Monet na exposição londrina.O curador da exposição assinala que, em seu contínuo experimentar, Renoir às vezes aplica uma grossa camada de tinta sobre a tela, ao tempo que, em outras vezes, sua técnica se assemelha à aquarela.Em 1881, Renoir começou a viajar. Seu primeiro destino foi a Argélia, onde pintou paisagens com palmeiras e bananeiras exóticas, todos elas de "surpreendente beleza", como as quatro que estão na exposição.Nesse mesmo ano, visita a Itália pela primeira vez, e em Veneza pinta uma vista muito convencional do palácio dos Dogos, que seus amigos pintores consideram execrável, mas que ao mesmo tempo demonstra grande audácia experimental.No ano seguinte, reúne-se em L´Estaque (sul da França) com Paul Cézanne, e pinta a seu lado paisagens, de grande valor formal, que também estarão na National Gallery, que pretende chamar a atenção para a importância de Renoir no desenvolvimento da pintura moderna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.