Nathalie deslumbrante

A estreia da contralto francesa Nathalie Stutzmann, 47 anos, não poderia ter sido mais deslumbrante. Em primeiro lugar, pelo timbre escuro e de rara beleza de sua voz, capaz de emissões amplas e quentes na região grave; e ao mesmo tempo, evolui para os registros médio e sobretudo o agudo com limpidez cristalina. Pois a esta voz poderosa Nathalie acrescenta uma compreensão estrita do que interpreta. Em sua voz, interpenetram-se tanto o sentimento amoroso quanto o de morte, o eterno conflito wagneriano, já presente nestes cinco Wesendonck lieder, compostos em 1857/58 sobre versos da bela mulher de seu mecenas, quando o casal Wagner - Richard e Minna - passava uma temporada com os Wesendonck.

O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2013 | 02h16

O conflito essencial reproduzia-se na vida real, pois Wagner de fato seduziu Mathilde e musicou estes poemas de qualidade apenas mediana, nos intervalos de seu projeto lírico mais ambicioso, Tristão e Isolda. Numa opção inteligente, evitou-se anteontem, na Sala São Paulo, a tradicional versão para grande orquestra feita pelo maestro Felix Mottl poucos anos depois da primeira performance.

Em troca, tivemos o raro prazer de assistir ao arranjo para orquestra de câmara do compositor alemão Hans Werner Henze, de 1976. Um primor de refinamento e sutileza. Inexplicavelmente, houve, na plateia da Sala São Paulo, quem reclamasse da ousadia de Henze, 'profanando' o Wagner original. Sabe-se que Wagner só orquestrou a quinta canção; e, cá entre nós, você mesmo pode avaliar ouvindo no YouTube a pesada versão de Mottl com o tenor wagneriano da hora, Jonas Kauffmann. Mas, por favor, não esqueça de também curtir algumas delas na versão de Henze. E livre-se de preconceitos, abra cabeça e ouvidos - e encante-se com as ousadias refinadas de Henze.

Coincidência maior ainda. A cor escura da voz de Nathalie ajustou-se perfeitamente aos arranjos que, de seu lado, acentuaram o lado sombrio desta escandalosa empreitada amorosamente marqueteira de Wagner, pondo música nos versos da mulher alheia que desejava. Duas flautas, oboé, corne-inglês, clarineta e clarone, duas trompas, harpa e cordas - esta é a instrumentação escolhida por Henze. A transparência e leveza parecem impulsionar ainda mais esta mistura letal de amor-morte; a harpa desempenha um papel bem mais importante do que o convencional, contracenando bastante com as madeiras. Um pequeno reparo: projetar no telão as letras em branco sobre branco dos versos em português é um desafio ótico desnecessário: que tal projetar as letras em preto sobre o fundo branco? Nossos olhos agradeceriam a iniciativa.

Mas é preciso reconhecer que esta foi provavelmente uma maneira muito inteligente e sutil de se fazer um tributo, em situação de concerto, ao bicentenário de nascimento de Wagner.

Em compensação, a sequência do concerto foi bastante convencional. Isso apesar de uma leitura apaixonante do celebérrimo Prelúdio e Morte de Amor de Tristão e Isolda, comandada pelo ótimo regente britânico Richard Armstrong. A Osesp brilhou nesta obra que exige uma sintonia fina entre as várias seções da orquestra, e demonstrou interação total com o regente, de modo a criar uma tensão que cresce sutilmente, aos poucos, até o imenso acorde perfeito final, representando a vitória do amor sobre a morte.

A terceira peça do tributo a Wagner encerrou o concerto em clima de extra: o prelúdio de Os Mestres Cantores. Na primeira parte, Armstrong construiu uma bela interpretação da Júpiter de Mozart, com um efetivo instrumental reduzido. Impressionou particularmente o Finale Molto Allegro, com suas incríveis e inesperadas modulações e os fugados se intrometendo furiosamente.

Crítica João Marcos Coelho

JJJJ ÓTIMO

JJJJ ÓTIMO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.