RECORDTV
RECORDTV

Nas redes, nomeação de Thiago Gagliasso para Secretaria de Cultura no Rio é questionada

'Gagliasso está trazendo a experiência do seu canal no Youtube e perfil no Instagram para as redes sociais da Secec', defendeu o órgão em nota.

Fabio Grellet/RIO, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2019 | 19h50

A nomeação do ator Thiago Gagliasso, de 29 anos, irmão do também ator Bruno Gagliasso, para um cargo na Secretaria estadual de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro (Secec) causou polêmica nas redes sociais. Sem ter se destacado em atividades ligadas à cultura, o ator foi exaltado pela secretaria como “influenciador digital com grande número de seguidores”.

“Gagliasso está trazendo a experiência do seu canal no Youtube e perfil no Instagram para as redes sociais da Secec”, afirmou o órgão em nota.

Gagliasso tinha até a tarde de ontem 424 mil seguidores no Instagram, 172 mil no Twitter e 5.440 no Facebook. Para comparação, a cantora carioca Anitta tinha 37,2 milhões de seguidores no Instagram, 8,45 milhões no Twitter e 12,5 milhões no Facebook. A nomeação de Thiago para assistente da Superintendência de Artes da Secec ocorreu em fevereiro.

A qualificação de Thiago para desempenhar a função foi questionada por muitos internautas. Na nota, a secretaria afirmou que "como ator, Thiago Gagliasso está fazendo a interface da Secretaria com o mundo artístico. A pasta afirmou que Gagliasso estaria apresentando sugestões de parcerias para serem analisadas pela Superintendência de Artes” e que “o mundo digital é uma grande ferramenta de democratização do acesso das populações mais carentes à cultura”.

A secretaria também exaltou a participação do ator em um projeto social de formação de atores na escola de samba Beija-Flor de Nilópolis, na Baixada Fluminense.

“Thiago possui a experiência tão necessária, hoje em dia, do voluntariado no terceiro setor”, afirmou a secretaria na nota.

Questionado por uma internauta sobre sua qualificação para o cargo, Thiago respondeu: “Cinco anos trabalhando com evento, economia criativa, formamos 18 atores na comunidade de Nilópolis sem a leizinha que beneficia lacradores”, numa provável menção à Lei Rouanet. “Experiência certamente irei adquirir com o tempo, mas a vontade de fazer o bem e direito está acima de qualquer coisa! Pode cobrar”, concluiu.

Nas respostas, recebeu mais críticas: “Cinco anos trabalhando com evento? A tia do cerimonial da minha cidade trabalha há uns 30 anos e nem por isso é capacitada”, escreveu outro internauta.

Após ter destacado a competência de Thiago como influenciador digital, a Secretaria de Cultura divulgou outra versão da nota sobre a nomeação do ator. Desta vez, afirmou que Thiago “foi escolhido por sua capacidade de trabalho, como os demais funcionários da pasta”. Também descreveu a rotina diária do ator e funcionário. “Seu expediente na Secec é de nove horas por dia, com uma hora de almoço, de segunda a sexta-feira.”

Procurada pelo Estado para se manifestar  sobre a inclusão dessas informações na nova versão da nota, a Secec não havia se manifestado até às 18h50.

Briga

Até a divulgação da nomeação, Thiago Gagliasso ganhara destaque por causa de uma briga pública que protagonizou em outubro de 2018. Ele se desentendeu com sua cunhada, a atriz Giovanna Ewbank, em um episódio que envolveu seu irmão Bruno, também ator, de quem se afastou.

Os dois têm divergências políticas - durante a campenha presidencial do ano passado, Thiago declarou apoio a Jair Bolsonaro (PSL), enquanto Bruno e Giovanna aderiram à campanha contra o candidato que foi eleito presidente.

A briga com Giovanna, no entanto, tinha como pano de fundo uma crítica de Thiago às emissoras de TV. Àquela altura, Bruno já gravava a novela O Sétimo Guardião, na qual é vive o papel do protagonista Gabriel. A trama começou a ser exibida em 12 de novembro, na Rede Globo.

Indignada com a crítica de Thiago às emissoras, em 8 de outubro Giovanna enviou para o cunhado uma mensagem irônica. “Amorzinho. Espero que quando o seu desejo da ‘TV morta’ se realize vocês estejam preparados para: Não ter o apartamento que seu irmão deu para vocês morarem no Rio de Janeiro; não ter ajuda do seu irmão quando você não pagar a escola do seu filho e ele te salvar; não ter a mesada que seu irmão dá para a sua mãe; não ter o apartamento de São Paulo do seu irmão para ficar; entre outras tantas coisas”.

Em 21 de outubro, Thiago divulgou a mensagem da cunhada e respondeu às suas críticas. “Gostaria muito de lhe informar que não moro mais no apartamento do meu irmão (e, mesmo que morasse, não teria vergonha por não pensar igual a ele, afinal, não somos gêmeos de cérebros, apesar da semelhança física). Liga lá na escola do meu filho, pergunta se estou devendo algo. Se precisasse da ajuda dele aceitaria viu. Mesada pra mãe? Eu teria orgulho em poder proporcionar a minha mãe o que ele faz por ela, o nome disso é gratidão. Não sei se você conhece. Apartamento do meu irmão para ficar? Relaxa! Tenho amigos que certamente me receberão com o maior prazer”.

Thiago Gagliasso não respondeu a pedidos de entrevista feitos pelo Estado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.