Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Não sei o que é...

Não, não sei o que é ser negro. Não sei o que é ser mulher. Não sei o que é ser nordestino. Não sei o que é ser judeu. Não sei o que é ser muçulmano. Não sei o que é ser pai. Não sei o que é ser mãe. Não sei o que é ser abusado sexualmente. Não sei o que é ser idoso. Não sei o que é ser preso. Não sei o que é ser gay. Não sei o que é ser trans. Não sei o que é viver abaixo da linha de pobreza. Não sei o que é ser imigrante. Não sei o que é ser deficiente físico. Não sei o que é perder um parente em uma tragédia. Não sei o que é passar fome. Não sei o que é acreditar em Deus. Não sei o que é ser índio. Não sei o que é um monte de coisa. Mas não é por não saber na pele o que é ser esse monte de coisa que eu, automaticamente, me torno inútil para entrar em um debate sobre qualquer desses assuntos, certo? Errado. Para alguns, pelo menos.

Fábio Porchat, O Estado de S. Paulo

06 de dezembro de 2015 | 02h00

Ultimamente, tenho ouvido críticas às pessoas que defendem alguma causa, porque essas pessoas não “pertencem” àquela classe (?) e não deveriam falar sobre aquilo para não tirar o protagonismo daqueles que realmente “pertencem” e que deveriam ter voz. Quer dizer que agora só um negro pode defender a causa negra? Só uma mulher pode lutar contra o machismo? Sou a favor do casamento gay, mas deixa os gays se virarem nessa luta aí sozinhos, afinal, não sou gay e não tenho nada a ver com isso? Ao contrário, tenho muito a ver com isso desde o momento que faço parte dessa sociedade que, em boa parte, discrimina gays. Eu, como homem branco, posso sim dizer aos quatro ventos que o racismo deve ser combatido com todas as forças. Eu, o Lázaro Ramos, o Seu Jorge, a Neide, o Renato, a Nataly e todo o mundo.

É equivocado pensar que uma luta é em prol de uma parcela específica da sociedade. A luta é em prol de todos nós enquanto gente. A luta é para que ninguém sofra nenhum tipo de preconceito. Se quem tá lutando por isso é um anão chinês evangélico ou uma travesti idosa cega não importa, o que importa é que todos consigamos extinguir qualquer tipo de discriminação. E, justamente por não “pertencer” a esta classe, é que minha voz também é importante, porque “pertenço” então ao outro lado, de alguma forma meu lado é o lado do opressor e quero, e preciso, dizer pra todo mundo que não concordo com isso.

Você que me diz que não sei o que é ser qualquer coisa, saiba que, acima de tudo, sei o que é ser humano e sei o que é me sentir um lixo de ver como o mundo tem caminhado. Não estou defendendo os negros, as mulheres, os gays, estou defendendo você, ele e eu. Tô me posicionando em favor da vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.