'Não se trata de uma ameaça aos escritores'

Bruzzese diz respeitar esta arte, mas garante que quanto antes um autor aderir aos testes, mais obras bem-sucedidas fará

LOS ANGELES, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2013 | 02h10

Ao que parece, Hollywood se inclina cada vez mais às pesquisas para reduzir ao mínimo as incertezas. Ademais, estúdios cortaram gastos com o desenvolvimento interno de roteiros. Vinny Bruzzese também está vendendo a análise de roteiro a estúdios como uma técnica de proteção - para "quando o argumento invisível de 'não vou aceitar a culpa se este filme não funcionar' surgir", diz seu website.

Bruzzese lecionou estatística na State University de NY antes de passar para a pesquisa de cinema há cerca de uma década. Ele admitiu que muitos escritores ficam 'inquietos' com o seu serviço. Mas afirmou não ser uma ameaça. "É apenas uma recomendação que pode ser usada no todo, em parte, ou não usada."

Mas quem a ignorar que corra o risco. O Motion Picture Group analisou o roteiro de Abraham Lincoln - Caçador de Vampiros, mas as empresas produtoras não deram atenção. O filme fracassou.

Bruzzese garante que sua análise não é feita por máquinas. Seus relatórios se baseiam em estatísticas e resultados de pesquisa, mas antes de avaliar um roteiro ele fala com o autor para "ouvir e entender a visão criativa para a análise ser contextualizada". Mas também não se arrepende de seu enfoque nos resultados financeiros. "Escrever é uma arte, e a respeito profundamente. Mas quanto antes você aderir aos testes e pesquisas, mais filmes bem-sucedidos fará."

O serviço de fato dá mais controle dos escritores sobre o seu trabalho, disse Mark Gill, presidente da Millenium Films e um cliente. Num teste tradicional, quando um filme está quase pronto o escritor não está mais envolvido. Com o teste de roteiro, o autor ainda pode controlar alterações. Um ganhador do Oscar que, por insistência de um produtor, teve um roteiro seu analisado por Bruzzese, afirmou que suas preocupações eram infundadas. "Foram as melhores anotações sobre um esboço que eu jamais recebi", confessou o escritor, que quis ficar anônimo.

A análise de roteiro é recente o bastante para ainda ser tabu em Hollywood. Grandes financiadores e consultores confirmaram o uso do serviço, mas não falaram mais nada sobre isso. Os seis grandes estúdios de Hollywood não quiseram comentar.

Mas as portas estão se abrindo para Bruzzese mesmo assim, em parte porque ele é um personagem e tanto. Por exemplo, ele afirma ser um parente distante de Einstein... Ele é também bastante sincero. "Todos os roteiristas acham que seus bebês são lindos e eu estou aqui para dizer que alguns são feios." / B.B / TRADUÇÕES DE CELSO PACIORNIK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.