'Não sabia se queria ficar tanto no personagem'

Liev Schreiber conta como é afetado pelas cenas de 'Ray Donovan' e fala do receio de ter a vida pessoal exposta

JOÃO FERNANDO, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2013 | 02h17

Com a função abafar os escândalos dos famosos moradores de Hollywood na série Ray Donovan - no ar todas as segundas, às 21 horas, na HBO, Liev Schreiber, que está do mesmo lado do balcão dos clientes de seu personagem, diz não ter a mesma frieza que o protagonista para tratar da vida privada de artistas.

"A cultura da celebridade na nossa indústria virou um grande negócio e pode ser destrutiva. Se as pessoas quiserem ter privacidade, têm de separar a vida pessoal do trabalho. Esse aspecto da série é bem real. Não sei se é bom ou ruim. Estou no ramo há muito tempo, não o vejo com o mesmo cinismo que Ray vê", contou ao Estado em teleconferência com jornalistas de diferentes países.

O ator dá o exemplo de um tema que causa frio na barriga dos famosos. "Há muita gente com medo de ter a orientação sexual revelada. Disso não tenho medo. Acho que eu nunca tive um escândalo e espero continuar assim", torce o norte-americano, casado e pai de dois meninos de 4 e 6 anos. Para ele, há uma dose de satisfação do público ao ver advogados e empresários de estrelas do entretenimento tensos com as besteiras de seus clientes. "Acho legal ver a humanidade da indústria, que é questionável, às vezes. As pessoas ficam animadas para ver o que está por trás da cortina. São coisas íntimas. Eles (autores) escrevem o que nós conhecemos, o que fica mais interessante."

Ao mesmo tempo em que ameaça com arma e chantageia quem atrapalha a vida das celebridades, Ray tem um lado doce ao cuidar dos filhos. Ele também dá atenção aos irmãos: um deles, Bunchy (Dash Mihok), foi abusado por um padre na infância e tem instabilidade emocional; o outro, Terry (Eddie Marshan), sofre de Parkinson e gerencia uma escola de boxe.

"Ele é um anti-herói. O que o motiva é a família. Outra coisa que gosto nele é a sua lealdade, ele ama os filhos e a mulher. Acho que essa pergunta se ele é bom ou mau não pode ser facilmente respondida."

As cenas tensas se concentram quando Ray encontra Mick (Jon Voight), um dos vilões da trama e seu pai, recém-saído da prisão. Um dos objetivos do protagonista é eliminá-lo. "Ele tem a natureza do homicídio e deve sentir que a morte do pai é necessária, mas não quer derramar esse sangue com as próprias mãos. Ele quer matar, mas não pode ser ele. É bem shakespeariano para mim."

A atmosfera pouco tranquila da série deixou Schreiber com o pé atrás. "Quando vi o roteiro pela primeira vez, falei para a Ann (Biderman, criadora) que a história era pesada e não sabia se queria ficar tanto tempo nesse personagem", relembra ele, que diz se reconfortar ao rever os filhos. "Quando volto para casa, eles merecem minha total atenção e isso me ajudou muito." Ele também se recupera com aulas de boxe assim que deixa o estúdio. "Parece que você recupera a energia do corpo. E levar uns socos na cara pode ser valoroso", diverte-se.

Antes de rodar a segunda temporada, ele não quer saber de trabalho. "São 14 horas pelo menos cinco dias por semana. Estou curtindo ficar desempregado agora com as crianças."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.