Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Não há cortinas

O decorador estranhou quando o professor comentou que nós, brasileiros, não gostamos de cortinas.

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2016 | 02h00

– Então vamos às persianas...

– Não, respondeu o professor, continuemos com as cortinas. Peço desculpas. Eu pensava nas “cortinas” de teatro: aquelas que marcam irremediavelmente o fim de um ato ou da peça!

– Entendo, mas ainda estou no ar.

O professor que era um velho conservador e que foi estigmatizado como homofóbico por um f.d.p., e era chamado por alguns “amigos” e alunos de golpista, explicou.

– Quando inocentemente me perguntam “o que é o Brasil?”, eu candidamente penso numa sociedade que não consegue fechar etapas, períodos, crises ou até mesmo portas! Somos das aberturas e inaugurações. Amamos as novelas: um gênero no qual, um fio produz muitos enredos, que prendem todo mundo a todo mundo. O drama reafirma uma vida social interligada na qual o fechamento é difícil.

Se nós não conseguimos nos despedir depois de um jantar ou começar ou terminar alguma coisa na hora marcada, será que fechamos o império e começamos a República?

– Deixa eu te falar uma coisa – continuou –, nos Estados Unidos, as pessoas são, como viu Tocqueville, pessimamente educadas. Dizem “até logo” num segundo e vão diretamente a um assunto. Aqui, levamos horas nos despedindo no elevador. Mas, lá, os bandidos são presos; aqui, reeleitos.

*

Nós adoramos o palco e os dramalhões. Estamos revivendo um deles. Penso que está sendo dirigido por um Carlitos – vagabundo fora do mundo, enrolado com muitos malandros.

– Há diferença entre vagabundo e malandro?

– Sem dúvida. O vagabundo recusa o sistema. O malandro usa muito bem o sistema.

*

Agora, com a devida vênia, eu pergunto ao Temer, presidente interino e constitucionalista, ao Temer professor e ao Michel poeta: quem nomeia esses atores tão lambuzados?

Seria o poeta que vive no mundo da lua? Ou é o constitucionalista que ama os axiomas da lei luso-brasileira? Temos um “Ministério da Transparência” porque, admitindo sem saber o nosso amor pelas ambiguidades do “rabo preso”, somos intransparentes. Não é preciso ler Freud!

Em todo lugar, governar é ser transparente, menos no Brasil. Aqui, governar é cuidar, enganar, roubar e mentir, mas, acima de tudo, é “se arrumar”. Se assim não fosse, o conceito de “transparência” – revelador nas suas conotações psicológicas – não seria chamado ao palco.

*

– Mas, professor, teatro é ficção, mas política tem consequências. Para muitos, ela é a única realidade. Quem não pensa o mundo politicamente é, como o senhor, reacionário. E, no entanto, todo esse realismo se tornou uma perversa ficção neste Brasil onde todos os desentendidos ocorrem de modo avassalador. Poucos não têm o “rabo preso”. Eis uma triste figura. Haveria alguém livre? Sem dúvida, mas a serem contados nos dedos. Como ser livre sem ter a capacidade de dizer não a si mesmo? Esse axioma das democracias igualitárias.

*

Como sair da crise em alguém que esteja um pouco fora dela?

O velho professor não ousa responder. Tem medo de ser admoestado pelos mais puros adeptos da fantasia. Todo sistema canibaliza seus membros, mas, também, é por eles controlado. No nosso caso, seria preciso menos confusão entre atores e papéis, entre o real e a ideologia, entre o poder como meio para a riqueza à custa do povo naquilo que se chama populismo.

Afinal, como disse o laureado Paul Krugman no The New York Times, os empresários – estilo Donald e Marcelinho Odebrecht – descobriram que investir em políticos e partidos produz excelentes ganhos de capital.

*

– Neste momento de “crise”, neste instante metafísico e transcendental em que vivemos, pois a crise que faz com que tudo fique próximo e distante ao mesmo tempo, não estaríamos vivendo sem querer saber, mas já sabendo, a compra do mundo pelo capitalismo? Pelo capitalismo como mais um trivial negócio capitalista? Afinal, há um capitalismo como estilo de vida, e outro que deseja ser o englobador exclusivo da vida no planeta. Para este tipo de capitalismo, nada é sagrado, exceto ele próprio. Estamos, agora, tratando de tornar a Terra um negócio. O último negócio...

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.