'Não gosto tanto assim da Inglaterra', diz príncipe Harry

O príncipe britânico Harry, que está hádez semanas na linha de frente do conflito travado noAfeganistão, afirmou não gostar tanto assim da Inglaterra e quese incomoda com as notícias escritas pelos jornais do seu país. O príncipe, terceiro na linha sucessória do tronobritânico, deu essas declarações na semana passada, antes de asnotícias sobre a presença dele no Afeganistão terem vazado emum site da internet. Harry afirmou a um entrevistador que gostava de estar nazona de combate em vez de "ficar sentado" em Windsor, a cidadedas cercanias de Londres onde a família real possui um casteloe onde fica o quartel-general do regimento do príncipe. Questionado sobre se desejaria regressar ao Afeganistãoalgum dia, Harry respondeu: "Eu não quero é ficar sentado emWindsor". "Mas, em termos gerais, eu não gosto tanto assim daInglaterra. E, sabe, é bom ficar longe de todos os repórteres ejornais, de toda aquela porcaria que eles escrevem." Os comentários, divulgados por meio de um acordo firmadopor vários veículos de comunicação, não devem ser bem recebidospelos fãs de Harry na Grã-Bretanha ou pelos tablóides do país. O príncipe, 23, costuma se envolver em polêmicas. Em 2005, Harry provocou uma indignação generalizada ao serfotografado em uma festa à fantasia vestido com um uniformenazista. Em Londres, o príncipe costuma ser flagrado saindo bêbadode boates com sua namorada. E já enfrentou problemas com seupai, o príncipe Charles, por ter sido pego fumando maconha. Na sexta-feira, antes da divulgação das notícias maisrecentes, os jornais britânicos despejavam elogios ao príncipe,descrito como um herói e um soldado modelo. Mensagensapareceram em sites da internet elogiando a coragem dele. A família real, de toda forma, nem sempre manteve um bomrelacionamento com os meios de comunicação. E parentes da mãede Harry, a princesa Diana, culparam paparazzi pela perseguiçãode carro em meio à qual ela morreu, em Paris, em 1977, quando oveículo no qual estava sofreu um acidente. Em uma audiência realizada como parte da investigação sobrea morte de Diana, uma testemunha disse que a princesa cogitava,na época, a possibilidade de comprar uma casa nos EUA. Harry é o primeiro membro da família real a ir para aguerra desde o conflito nas Malvinas, com a Argentina, 25 anosatrás. Mas, devido ao vazamento da notícia, o príncipe deve serretirado do Afeganistão. Segundo comandantes das Forças Armadasda Grã-Bretanha, o fato de Harry estar sabidamente na regiãoexporia os companheiros dele a um perigo adicional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.