Nachtergaele estréia como ator de novela

Quem se divertiu com o malandro caipira João Grilo, em O Auto da Compadecida - microssérie de Guel Arraes, na Globo, que virou filme - prepare-se: Matheus Nachtergaele volta a interpretar um malandro, mas desta vez em uma novela. O ator, que faz sucesso no teatro e no cinema vai estrear em um folhetim na próxima segunda-feira, quando entra no ar a nova novela das 7, Da Cor do Pecado. Matheus será Helinho, um falso vidente que vai enrolar os clientes fingindo ler cartas e incorporando espíritos. Será o melhor amigo da protagonista Preta (Taís Araújo).O ator será responsável pelo lado cômico da história. "Mas no início", alerta Matheus, que no decorrer da trama dará uma boa pitada de drama ao personagem. Helinho descobrirá que possui dom mediúnico. O ator, que criou gestos diferentes e até um bordão para quando estiver fingindo receber um espírito (peteô!), chega a uma novela pelas mãos do amigo João Emanuel Carneiro, o autor da trama. Os dois já trabalharam juntos nos longas Central do Brasil, Extraviado e O Primeiro Dia e nas minisséries A Muralha e Os Maias. Nessa entrevista, Matheus conta que tinha medo de novela por causa da obra aberta, que tem dificuldade para decorar as inúmeras cenas de Helinho e que não dorme direito nas noites que antecedem suas gravações. Por que resolveu fazer novela agora?Matheus - Tenho a sorte de estar envolvido nessa nova fase do cinema brasileiro (fez O que é isso Companheiro?, Cidade de Deus, Amarelo Manga e o inédito Narradores de Javé) e nunca pude me dedicar a uma novela. O cinema e o teatro sempre foram prioridade, mas confessso que adiava a novela porque me assustava um pouco. Tinha medo da obra aberta, não do volume de trabalho. Evitei por muito tempo esse momento, mas quando o João (Emanuel Carneiro) ganhou o horário, me perguntou se eu faria. Pensei: "Agora vou colocar o pé na água". O João é um dos meus melhores amigos e me senti protegido. Ele está escrevendo com o ânimo de primeiro vôo e eu estou na mesma sintonia.Ele fez o personagem para você?É isso aí. Depois de Woyzeck (sua última peça, o drama Woyzeck, o Brasileiro) estava precisando me divertir.Deu palpites?Não escolhi nada mas sei que o João me conhece muito bem. Assim, faz coisas para me agradar e também para me desafiar. Acho que o grande desafio do Helinho é que ele não é um único personagem. É um malandro gente boa mas ao mesmo tempo é um salafrário que engana as pessoas e um médium. Ele vai descobrir que pode receber espíritos. No início estarei próximo da chanchada, mas quando ele começar a ver que tem talento para aquilo, terei de ir para o drama.Acredita em videntes?Todo o brasileiro já teve uma experiência sobre o assunto. Já foi a um pai de santo, a um médium, já deixou a mão ser lida por uma cigana ou tem um primo que lê carta. Eu nunca paguei por esses "serviços" mas confesso que já fui a lugares sérios e leio com freqüência o horóscopo do Quiroga. Na verdade, me considero materialista, mas tenho um lado supersticioso. Sou capricorniano, um homem racional e não me sinto um homem de fé. Acredito muito nos sinais da vida que estão por aí e que somos capazes de percebê-los e interpretá-los.Está prepado para o assédio que deve aumentar?Não sei. Estou fazendo esse trabalho com muito amor. Basta dizer que sinto aquele frisson de quem nunca fez uma coisa, entende? É um estréia de verdade para mim... Estou ansioso. Todo dia em que venho gravar, fico excitado. Sempre soube o final dos meus personagens e do Helinho eu não sei. Não sei como se caminha em uma novela e estou aprendendo a lidar com isso.

Agencia Estado,

19 de janeiro de 2004 | 11h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.