Na Oca, uma viagem surreal por dentro do corpo humano

?O corpo humano sempre foi um tabu. Muitas vezes, antigamente, quando se falava sobre ele se relacionava o assunto ao sexo?, diz o médico americano dr. Roy Glover, o mentor da exposição Corpo Humano: Real e Fascinante, que também será inaugurada nesta quarta-feira para convidados e na quinta para o público no primeiro andar da Oca. Fascinante para alguns, mórbida para outros, a mostra deixou um rastro de polêmica por onde passou - Inglaterra, Coréia do Sul e México e atualmente, em exibições paralelas nos Estados Unidos e Holanda. Para Glover, ela é apenas uma exposição de caráter educativo, uma maneira de apresentar o corpo humano para as pessoas se sentirem ?confortáveis? consigo mesmas ao conhecerem as suas entranhas.A exposição é formada por nove galerias separadas, cada uma dedicada a um sistema particular do corpo. Ao todo, estarão expostos 16 corpos inteiros e mais de 225 partes e órgãos - alguns deles poderão ser manuseados nas chamadas ?banca de toque?. Tantos os corpos quanto órgãos estão preservados a partir da técnica da polimerização, uma espécie de plastificação da matéria em que os tecidos são esvaziados de água e preenchidos com borracha líquida de silicone.Dessa maneira, imagine ver de perto um corpo aberto em fatias e poder segurar nas mãos um estômago aberto, um fígado com cirrose, um pequeno cérebro e um joelho que pode ser manipulado para se entender seu mecanismo de movimentação. Essa pode ser uma experiência até mesmo surreal porque no exato momento ficamos com a dúvida se aquilo é apenas um simulacro dos órgãos feito em plástico - mas não, definitivamente, aquelas são partes de corpos reais.DestaquesEntretanto, como reafirma dr. Roy Glover, diretor médico e professor emérito de anatomia e biologia celular na Universidade de Michigan, a mostra não tem nada de mórbida. ?Ela trata muito da vida. Foi projetada não só para ajudar nossos visitantes a entender os seus corpos melhor como também apresentar a eles informações e encorajá-los a considerar melhores escolhas de estilo de vida, melhores hábitos de cuidado de saúde. Dessa maneira, nosso objetivo ao exibir corpos humanos reais é promover e aumentar a qualidade de vida das pessoas?, continua o médico.Segundo os responsáveis pela mostra, os corpos e órgãos são de indivíduos que tiveram morte natural e que optaram pela doação de seus corpos para um programa de ciência e educação da China.A mostra é feita de segmentos, cada um organizado para promover um melhor entendimento dos sistemas do corpo. Um deles trata da estrutura interna do esqueleto e suas mais de 100 juntas; outros, respectivamente, do sistema muscular, do sistema nervoso, do sistema respiratório, do sistema digestivo, sistema urinário, sistema circulatório e do sistema reprodutor. ?Sobre esse último (o sistema reprodutor), há uma galeria embrionária com fetos projetada para o visitante entender melhor as várias etapas do desenvolvimento embrionário fetal. Ver as espécimes nessa galeria faz o espectador tomar uma decisão ciente?, defende Glover. Por fim, há um segmento dedicado ao ?Corpo Tratado?, sobre o avanço de pesquisas médicas e tecnológicas para o desenvolvimento de próteses e equipamentos. Corpo Humano: Real e Fascinante. Oca. Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n.º, portão 3 do Parque do Ibirapuera, 6846-6000. 2.ª a 6.ª, 9 h às 19 h (sáb. e dom., 10 h às 20 h). R$ 30 (na compra do ingresso, 20% de desconto para a entrada de Leonardo da Vinci: A Exibição de um Gênio

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.