Na Mostra, o 100.º volume da <i>Coleção Aplauso</i>

São duas ótimas notícias. A primeira éque a Coleção Aplauso, da Imprensa Oficial do Estado, lançamais 13 volumes nesta quarta-feira, na Mostra, atingindo a marca de cemlivros publicados. A outra, anunciada pelo professor HubertAlqueres, diretor-presidente da editoria oficial do Estado deSão Paulo, é que o governador eleito, José Serra, já lhe disseque pretende dar continuidade à coleção, que considera da maiorimportância. A idéia da Coleção Aplauso surgiu de uma parceriade Alqueres com o crítico Rubens Ewald Filho. Ambos se conhecemhá anos e pensaram que seria uma contribuição valiosa à culturapaulista uma coleção resgatando nomes fundamentais das artes, dacultura em geral. Uma centena de livros não representa pouca coisa.Resgatam atores, diretores, propõem álbuns de fotos, atéroteiros de filmes estão agora imortalizados no papel, para quemquiser comparar a obra na sua origem e o resultado na tela. Éverdade que se pode objetar que talvez falte mais rigor àcoleção como um todo. Existem biografados que talvez não mereçamestar no mesmo panteão de outros e a própria escrita dos livrostambém é irregular, mas, no conjunto, é a própria coleção quemerece aplauso. Os 13 volumes que serão lançados nesta quarta, no lounge daMostra, no Hall do Shopping Center Frei Caneca, 6.º andar, apartir das 19h30, expõem a diversidade característica do projeto. Predominam os perfis de atores e autores, no já tradicionaltexto em primeira pessoa que caracteriza a coleção. MaurícioCapovilla, por Carlos Alberto de Mattos (A Imagem Crítica);Ary Fontoura, por Rogério Menezes (Entre Rios e Janeiros);Betty Faria, por Tânia Carvalho (Rebelde por Natureza);Emiliano Queiroz, por Maria Letícia (Na Sobremesa da Vida);Marisa Prado, por Luiz Carlos Lisboa (A Estrela, o Mistério);Vera Holtz, por Analu Ribeiro (O Gosto da Vera); Ary Fernandes por Antônio Leão (Sua Fascinante História); Tony Ramos, porTânia Carvalho (No Tempo da Delicadeza); e Pedro Paulo Rangel,também por Tânia Carvalho (O Samba e o Fado). Mas a nova leva da Coleção Aplauso tem também umroteiro, o de Desmundo, de Sabiana Anzuateg; duas coletâneasde críticas, a de Rubem Biáfora (A Coragem de Ser), quehomenageia o grande crítico de O Estado de S. Paulo, com textosescolhidos por Carlos M. Motta; e Luiz Geraldo de Miranda Leão(Analisando Cinema), com seleção de Aurora Miranda Leão; e umespecial - o livro de Dulce Damasceno de Brito com suaslembranças de Hollywood. Cada volume custa R$ 9 e somente olivro de Dulce Damasceno de Brito, pelo formato, é mais caro -R$ 18. Já confirmaram presença vários dos homenageados - VeraHoltz, Betty Faria e Dulce Damasceno, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.